Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

O Servo Sofredor - 1ª parte

Em Março de 1947, um jovem pastor árabe (Muhammad adh-Dhib) cuidava das suas ovelhas a cerca de 12 quilómetros ao sul de Jericó e a 1 quilómetro e meio a oeste do mar Morto. Depois de atirar uma pedra na direcção de uma cabra desgarrada, ouviu o som de cerâmica a partir-se. O que se seguiu foi uma das maiores descobertas arqueológicas de todos os tempos: os Manuscritos do mar Morto.
Em escavações nas cavernas da área feitas em 1956, diversos rolos e milhares de fragmentos de manuscritos foram encontrados em potes de cerâmica que foram colocados ali cerca de 2 mil anos antes por uma seita religiosa judaica conhecida como os essênios. Os essênios existiram como grupo de 167 a.C. até 68 d.C. Eles romperam com as autoridades do templo e estabeleceram a sua própria comunidade monástica no deserto judaico perto de Qumran.
Um dos seus rolos encontrados em Qumran é hoje conhecido como o grande rolo de Isaías. Datado do ano 100 a.C., esse rolo com 7,3 m de comprimento é o livro completo de Isaías (todos os 66 capítulos) e é o mais antigo rolo bíblico existente. [1] O rolo, actualmente, está protegido num cofre em algum lugar de Jerusalém, mas uma cópia dele está à mostra no Museu do Livro, em Jerusalém.

A importância dessa descoberta reside não apenas no facto de o rolo ser anterior a Cristo e estar em boas condições, mas por conter talvez a mais clara e mais completa profecia sobre a vinda do Messias. Isaías chama o Messias de "Servo do Senhor" e começa a referir-se ao Servo no capítulo 42, naquilo que é conhecido como o primeiro "Cântico do Servo". Contudo, o Servo é mais comummente tratado como o "Servo Sofredor", por causa da vívida descrição de sua morte sacrificial encontrada em Isaías 53.
Enquanto lê esta passagem (52.13-53.12), faça a você mesmo a seguinte pergunta: a quem se refere o texto?

 

(52.13) Vejam, o meu Servo agirá com sabedoria; será engrandecido, elevado e muitíssimo exaltado.
(14) Assim como houve muitos que ficaram pasmados diante dele; sua aparência estava tão desfigurada, que ele se tornou irreconhecível como homem; não parecia um ser humano;

(15) de igual modo ele aspergirá muitas nações, e reis calarão a boca por causa dele. Pois aquilo que não lhes foi dito verão, e o que não ouviram compreenderão.
(53.1) Quem creu em nossa mensagem? E a quem foi revelado o braço do SENHOR?
(2) Ele cresceu diante dele como um broto tenro, e como uma raiz saída de uma terra seca. Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse, nada havia na sua aparência para que o desejássemos.
(3) Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e experimentado no sofrimento. Como alguém de quem os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima.
(4) Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças; contudo nós o consideramos castigado por Deus, por Deus atingido e afligido.
(5) Mas ele foi trespassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados.
(6) Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviámos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós.
(7) Ele foi oprimido e afligido; e, contudo, não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado para o matadouro, e como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca.
(8) Com julgamento opressivo ele foi levado. E quem pode falar dos seus descendentes? Pois ele foi eliminado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo ele foi golpeado.
(9) Foi-lhe dado um túmulo com os ímpios, e com os ricos em sua morte, embora não tivesse cometido nenhuma violência nem houvesse nenhuma mentira em sua boca.
(10) Contudo, foi da vontade do SENHOR esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o SENHOR tenha feito da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do SENHOR prosperará em sua mão.
(11) Depois do sofrimento de sua alma, ele verá a luz e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento meu Servo justo justificará a muitos, e levará a iniquidade deles.
(12) Por isso eu lhe darei urna porção entre os grandes, e ele dividirá os despojos com os forres, porquanto ele derramou sua vida até a morre, e foi contado entre os transgressores. Pois ele levou o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu.

 

A quem é que tu achas que isso se refere? Barry tinha uma boa idéia de quem era. Lendo no seu próprio Tanach, ele ficou chocado com os paralelos em relação a Jesus, mas estava um pouco confuso. Queria dar ao seu rabino uma chance para que lhe explicasse isso.
"Lembro-me muito bem da primeira vez que confrontei seriamente Isaías 53 ou, melhor ainda, da primeira vez que ele certamente me confrontou", explica Barry. "Bastante confuso quanto à identidade do Servo em Isaías 53, fui até ao meu rabino e disse-lhe:"
— Rabino, eu encontrei algumas pessoas da escola que afirmam que o assim chamado Servo de Isaías 53 é ninguém menos do que Jesus de Nazaré. Mas eu gostaria de saber de si, quem é esse Servo de Isaías 53? — Barry ficou surpreso com a resposta:
— Barry, devo admitir que, quando leio Isaías 53, realmente parece que o texto está a falar sobre Jesus, mas, uma vez que nós, judeus, não acreditamos em Jesus, o texto não pode falar de Jesus — respondeu o rabino.
Barry não sabia muita coisa sobre lógica formal naquele momento, mas sabia o suficiente para dizer a si mesmo: "Isso não parece kosher para mim! O assim chamado raciocínio do rabino não apenas parecia circular, mas evasivo e até mesmo temeroso".

Hoje, Barry observa: "O pior surdo é aquele que não quer ouvir".

 

Continua: 

Do livro:

NaoTenhoFeSuficienteParaSerAteu.jpg

 

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.