Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Se já havia diversas línguas e as nações respectivas...

PERGUNTA:

Toda a Terra tinha uma só língua até que Deus criasse idiomas diferentes, fazendo com que ninguém entendesse uns aos outros (Génesis: 11:1, 6-9). Anteriormente a isto, a Bíblia fala de diversas nações, cada uma com a sua língua (Génesis 10:5). Como explicar todas estas situações? Se já havia diversas línguas e as nações respectivas, como é que depois aconteceu a confusão das línguas?


 

RESPOSTA

A confusão das línguas que Deus proporcionou, e que motivou a distribuição do povo por toda a terra, deverá ter ocorrido num período que não andará muito longe dos 130 anos após o Dilúvio. Logicamente, já haveria muita gente e não apenas os três filhos de Noé (Sem, Cam e Jafé). Ora, como é que a Bíblia deveria explicar isto?

Falar primeiro dessa separação linguística ou das gerações que a antecederam?

Para mim, o que a Bíblia faz constitui o melhor método de explicação e ensino para quem está interessado em entender as coisas.

Começa por descrever a linhagem de Jafé, um dos filhos de Noé, até à confusão das línguas, em Babel (Gn 10:5), embora esse fenómeno só seja totalmente explicado mais adiante (no capítulo 11).

O versículo apontado (Gn 10:5) refere-se exactamente àquilo que aconteceu à descendência de Jafé, após a confusão em Babel.

Depois, a Bíblia volta atrás e descreve a linhagem de Cam, outro filho de Noé. No versículo 20 diz-se algo idêntico ao versículo 5, mas, desta vez, em relação à linhagem de Cam. Seguidamente, a Bíblia volta de novo atrás para traçar a linhagem de Sem, embora referindo (Gn 10:25) que nos dias de Éber e seu filho Pelegue se repartiu a terra!

São três alusões à mesma situação (aparecimento das diversas línguas) ainda antes da explicação pormenorizada!

Naturalmente que as coisas têm de ser explicadas, uma de cada vez. É assim que fazem todos os livros. Tentar dizer tudo ao mesmo tempo, seria pior do que aconteceu diante da Torre de Babel, aquando da confusão das línguas!

A Bíblia é o Livro de Deus, muito especial, mas possui aspectos idênticos aos outros livros. Por exemplo, tem capas, folhas, palavras, letras e pontuação. E, como todos os outros livros históricos, também vai mais adiante e depois recua, para melhor explicar o que se passou.

Quem costuma ler livros, sabe que, quando se está a falar de uma pessoa, acaba-se por dizer sempre algo mais, por exemplo, com quem casou, quem foram os seus filhos. Depois, nos capítulos seguintes, volta-se atrás e aí se explica a origem da esposa e até, possivelmente, quem eram os pais dela ou os avós. Não há mal nenhum nisso! É assim que as coisas funcionam; inclusivamente na Bíblia, no que se refere a Caim.

Quando se fala deste homem diz-se que ele conheceu a sua mulher (Gn 4:17) e ela concebeu e teve a Enoque. Só depois vimos a saber que Adão e Eva geraram muitos filhos e filhas (Gn 5:4)!

Naturalmente que a esposa de Caim seria uma sua irmã ou sobrinha, nascida muito depois dele.

Nesta situação, a Bíblia está a falar dos descendentes de Noé, mais especificamente da descendência dos seus filhos, Sem, Cam e Jafé. Começa pelos descendentes de Jafé (Génesis 10:2). A certa altura fala dos netos, Asquenaz, Rifate e Togarma (filhos de Gomer) (Gn 10:3), depois fala de Elisa, Társis, Quintim e Dodanim, filhos de Java e também netos de Jafé e bisnetos de Noé.

Foi com estes que se fez a repartição das ilhas das nações nas suas terras, cada qual com a sua língua, segundo as suas famílias, entre as suas nações (Gn 10:5).

Não é apenas em Génesis 10:5, mas também em Génesis 10:20 e Génesis 10:25 que se fala na repartição da terra segundo as suas línguas. Quando a Bíblia desenvolve a linhagem de Sem, fala de Éber, de onde terá vindo o Hebreu (língua hebraica).

Depois das linhagens estarem bem definidas, volta-se um pouco atrás para se explicar pormenorizadamente como foi a confusão das línguas.

Melhor não poderia ser feito! A linhagem de Sem volta a ser retomada para se falar dos descendentes de Éber até chegarmos a Abraão! É o sistema que encontramos em todos os livros; só que a Bíblia fá-lo muito melhor!

Afinal, é caso para perguntar: Como é que isto poderia ser feito?

Como é que se explicam as genealogias de Sem, Cam e Jafé, se elas estavam a decorrer ao mesmo tempo? Como é que se situam os descendentes destes três filhos de Noé relativamente à confusão das línguas?

Dever-se-ia falar desse facto (confusão das línguas) antes de mencionar as linhagens dos filhos de Noé? Se assim fosse feito, alguém poderia perguntar: “Como é que houve a confusão das línguas sem haver (muitas) pessoas?” Sim, se apenas houvesse Noé e os seus três filhos, que famílias é que se dividiam?

Quando a Bíblia fala de diversas nações com as suas línguas, refere-se às nações saídas daquelas linhagens, mas após o acontecimento de Babel (confusão das línguas).

Para mim, a Bíblia está clara quanto a este e outros aspectos. Não vejo aqui nenhuma incongruência nem contradição. Na linhagem de Sem vamos encontrar, mais para diante, Abraão, pai da nação de Israel, onde nasceria o Messias, Jesus Cristo, o Salvador de todos os pecadores que se arrependem e aceitam o plano de Deus para a salvação eterna!

 

Este estudo foi-me enviado por:

Agostinho Soares dos Santos

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.