Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Diferença entre CRISTÃO e HIPÓCRITA _ Amor Uns para com os Outros

Amor Uns para com os Outros I João 4:20

Amar uns aos outros é uma característica infalível dos que são possuidores verdadeiros da fé Cristã (João 13:35).

Esse amor tem que ser qualificado, pois não é da maneira como é descrito pela maioria.

Alguns acham que o amor Cristão ignora ou aceita uma acção ou doutrina falsa por um "irmão". Se for assim o amor verdadeiro, Jesus não o conhecia (Mat. 21:12; 12:34), nem o Espírito Santo (João 16:8), nem Paulo (Gal 2:11).

Se o amor verdadeiro é a aceitação do erro, os da igreja de Pérgamo foram alertados indevidamente (Apoc 2:14,15) e a instrução de Paulo aos Romanos: "E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviar-vos deles" não teria sentido (Rom. 16:17; Efés. 5:11).

Mas, o amor verdadeiro é aquele que ama o seu semelhante; que folga com a verdade (I Cor 13:6) e faz a distinção entre os "irmãos" falsos e verdadeiros ("noteis os que ... contra a doutrina que aprendestes", Rom. 16:17; Fil. 3:17). 

Os cristãos, lavados e remidos no sangue do Cordeiro, amarão a piedade (Tito 2:11-15), terão um crescimento contínuo na graça (II Pedro 3:18), darão testemunho de um arrependimento verdadeiro (II Cor 7:10) e reconhecerão continuamente o seu pecado (Esdras 9:6). 

Ainda mais, os verdadeiros cristãos exemplificarão um desejo crescente de viver para a glória de Deus (Fil. 3:10), submeter-se-ão à Palavra de Deus (Próv. 1:23-33), perseverarão na fé (Fil. 3:14) e terão amor pela Palavra de Deus (Jer 15:16).

Assim se conhece o cristão verdadeiro e a diferença para o hipócrita. 

O amor verdadeiro é mais que uma atitude, uma posição, um sentimento ou uma crença. É uma acção contínua.

A fé sem as obras é morta (Tiago 2:20), também o amor verdadeiro procura evidenciar-se.

Por causa do amor perdoaremos uns aos outros (Efés. 4:32), oraremos uns pelos outros (João 17:9; Tiago 5:16) e considerar-mo-emos uns aos outros com estímulos ao amor e às boas obras (Heb 10:24).

Amor verdadeiro é activo para o bem dos outros (I Cor 13:4-7).

 

Os hipócritas também têm amor, mas é um amor que opera para a sua própria glória e nunca para a glória de Deus.

Os hipócritas ainda se encontram na cadeira de Moisés atando fardos pesados difíceis de suportar, pondo-os sobre os ombros dos homens, amando os primeiros lugares nas ceias e as primeiras cadeiras nas sinagogas, as saudações nas praças e serem chamados pelos homens: Rabi, Rabi, mas não querem ajudar ninguém a obedecer o que é honroso (Mat. 23:1-7). 

Os hipócritas estão interessados em proclamar as suas próprias justiças, pisando nos de condição inferior (Luc 18:11,12).

Os hipócritas amam sim, mas o que é que eles amam?

Não será uns aos outros que amam, a não ser para proveito pessoal (Mat. 27:25).

Eles amam o caminho de Caim (Judas 11), que era o caminho da inveja da aceitação de que Deus favorece os obedientes. 

Os hipócritas amam o prémio de Balaão (II Pedro 2:15; Judas 11; Apoc 2:14), que é a injustiça se tiver o preço certo.

Os hipócritas amam a liberdade se ela permite a satisfação das suas próprias concupiscências, como Coré (Judas 11).

O fim desses é a perdição e não aceitação por Deus (Fil. 3:19; II Pedro 2:17; Judas 12,13).

Tenha cuidado quando se fala de amor... 

Como a sabedoria é justificada por seus frutos (Mat. 11:19), o amor verdadeiro é justificado também (João 13:35; Mat. 7:15-20). 

Os frutos do amor estão evidentes na sua vida?