Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

11. Sinal: Restauração Da Terra Da Palestina

11. Sinal: Restauração Da Terra Da Palestina

“...Então farei... que sejam edificados os lugares desertos. Lavar-se-á a terra deserta, em vez de estar desolada aos olhos de todos os que passavam. Dir-se-á: Esta terra desolada ficou como jardim de Éden” (Ezeq.36:33-35).

Os capítulos 36º, 37º e 38º de Ezequiel tratam de acontecimentos que ocorrerão quando da vinda de Cristo.

O último desses capítulos fala do derramamento do Espírito que virá sobre Israel e da fracassada tentativa de invasão e sujeição da Palestina pelas hostes do norte.

O 36º capitulo fala da restauração da terra que tem jazido deserta durante tantos anos.

A desolação que sobreviria à terra de Israel no caso de se tornar a nação desobediente, foi predita pelo profeta Moisés e outros.

A apostasia da nação, culminada pelo acto de rejeição do Messias, foi seguida da destruição de Jerusalém e de outras cidades, bem como da condenação da raça a uma secular dispersão pelas nações do mundo.

Seguiram-se, então, séculos de desolação, conforme predito na profecia.

O tacão muçulmano e turco assolou a terra. Houve escassez de chuvas ao expandir-se o deserto por lugares que outrora haviam sustentado muitas cidades florescentes. Os turcos fizeram recair sobre as árvores um tributo, e em consequência disso, os beduínos, que odiavam qualquer espécie de imposto, cortaram-nas.

Os viajantes, ao olharem a terra, ficavam perplexos com a desolação que viam.

Então, em 1917, a Palestina foi libertada do multissecular jugo muçulmano.

A declaração “Balfour” permitiu aos judeus retornarem à sua pátria. Uma grande transformação teve logo inicio.

Milhões de árvores foram plantadas e os extensos pântanos drenados. Através de intenso labor a terra foi recuperada do estado de abandono em que se encontrava e uma rápida transformação começou.

Construíram-se estradas. Maquinária moderna foi importada. Ao começarem as árvores a crescer, operou-se uma transformação no clima. Aldeias e comunidades surgiram em diversos lugares.

A população judaica não tardará a atingir a casa dos dois milhões. Seus exércitos foram bastantes fortes para fazer retroceder os invasores batalhões árabes que lhes contestavam o direito à independência nacional. Muito ainda resta para ser realizado, mas a profecia feita há séculos está-se concretizando, sem dúvida, de maneira a causar espanto, e o seu cumprimento é prova segura de que o tempo do fim está próximo. 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.