Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Quem é o "Jesus" do Espiritismo?

A maior dificuldade, ou melhor, a total impossibilidade, de conciliar o Cristianismo com o Espiritismo diz respeito ao sofrimento de Jesus na cruz do Calvário.

 

Allan Kardec definiu Jesus Cristo como sendo, a “natureza excepcional do seu Espírito” e a sua divina missão de ensinar uma elevada moral à humanidade. Segundo o ensino de Kardec, tais atributos garantir-lhe-iam, no mínimo, uma vida terrena livre de qualquer sofrimento. Como ensina a doutrina codificada por Kardec:

Os Puros Espíritos fazem parte da classe mais elevada, da primeira classe.  Atingiram essa posição porque: _“percorreram todos os degraus da escala, despojaram-se de todas as impurezas da matéria, e, tendo atingido a soma de perfeição de que é susceptível a criatura, não têm mais que passar por expiações ou provas. Não mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, vivem a vida eterna, que realizam no seio de Deus” (Livro dos Espíritos, questão 113).

Logo, conforme a visão kardecista de sofrimento e purificação, teria sido dura a caminhada de Jesus até chegar ao ponto máximo da perfeição. Até ser considerado um Espírito Puro, teria passado por inúmeras vidas corpóreas.

Depois de tanto sofrimento, ou melhor, depois de sofrer tantas encarnações para se aperfeiçoar, nada mais justo da parte de Deus do que premiar esse Espírito, que em determinada etapa se chamou Jesus, com a sublime missão de dar início à “mais pura e mais sublime moral, da moral evangélico-cristã” (Ibidem, cap. I-9).

 

Não foi o que aconteceu.   

 

1_Ainda criança, Herodes tentou matá-lo (Mateus 2: 13);

 2_viveu uma vida sem descanso e sem bens materiais (Mateus 8: 20);

 3_seus irmãos não criam nEle (João 7: 5);

 4_foi duramente criticado e perseguido pelos fariseus, que desejavam tirar a Sua vida (João 11: 53);

 5_foi traído por um dos Seus apóstolos (Mateus 26:16);

 6_angustiou-se no Getsêmani, “e o seu suor tornou-se  em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22: 44);

 7_sem justa causa, foi preso e condenado à morte (Lucas 22: 54; 23: 25);

 8_não recebeu o apoio de seus discípulos quando foi preso (Mateus 26: 56, 70, 72, 74);

 9_foi escarnecido, humilhado, açoitado, cuspido, e recebeu na cabeça uma coroa de espinhos (Mateus 27: 26-30);

 10_finalmente, foi crucificado. Seu sofrimento na cruz é indescritível (Mateus 27: 32-56). 

   Sinceramente, se levarmos em conta a crença espírita, Jesus teria passado por todos os estágios da escala espiritual até chegar à plena perfeição. Inicialmente “alma simples e sem ciência”, Ele teria experimentado muitas lutas, sofrimentos e vicissitudes em muitas vidas corpóreas, tendo subido  degrau a degrau na hierarquia espiritual. Já no topo da escada, recebe não mais uma prova, mas uma missão. Os “espíritos” [demónios] disseram a Kardec:

 

_ “Para chegar à perfeição eles [os demónios] devem passar por todas as vicissitudes da existência corpórea”;  “todos são criados simples e ignorantes...”;  “os sofrimentos da vida são, na maior parte das vezes, consequência da imperfeição do Espírito” porque: Quanto menos imperfeição, menos tormentos,digo eu.  (Livro dos Espíritos quesitos 132 e 133).  Eles também lhe disseram que os Espíritos Puros, os chamados da primeira classe, já “percorreram todos os degraus da escala, despojaram-se de todas as impurezas da matéria. Tendo atingido a soma de perfeição de que é suscetível a criatura." ( Livro dos espíritos, quesito 113). 

Baseada neste pressuposto, penso que não têm que passar por mais provas ou expiações...

 Então, se esta tese ensinada e defendida pela doutrina Espírita estivesse certa, Jesus não precisaria de passar por mais provas. Aliás, certo “Espírito”, a quem Jesus chamou de Satanás, tentou interromper os Seus sofrimentos e até Lhe ofereceu este mundo com todas as suas riquezas (Mateus 4: 8-11). 

 

Perguntas que precisam de respostas:

 

(a) O carma de Jesus não estaria completamente limpo? O que exigiu mais sofrimento?  

 

O Seu sofrimento na cruz, não está de acordo com a “natureza excepcional do seu Espírito”, nem com a missão divina que Lhe foi confiada (Evangelho segundo o espiritismo, cap. I-4).

 

(b) Jesus era realmente um “Espírito Puro”. Alguém acredita que  por sua livre vontade aceitou e procurou o sofrimento para se purificar ainda mais? 

Esta hipótese colide com a declaração kardecista de que os puros estão no último degrau da escala e não  precisam mais passar por  provas. A Bíblia Sagrada fala-nos destas doutrinas, que pretendem retirar a Glória ao Rei da Glória, Jesus Cristo!

 

1 Coríntios 3:19-23 _ "Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia. E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são vãos. Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso; seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso, e vós de Cristo, e Cristo de Deus."

 

 

Textos Biblicos deturpados pelo espiritismo



1) Se João Baptista era Elias reencarnado, porque então não apareceu João Baptista no monte da transfiguração, visto já ter morrido?

a)
_ Ambos representam a lei e os profetas, respectivamente.

Vejamos em Judas 1:9, onde há uma alusão a respeito de Moisés, e II Reis 2:11, que narra a história a respeito do arrebatamento de Elias – teceremos maiores comentários adiante.

A presença física de Pedro, Tiago e João cumpria cabalmente a Lei de Moisés, a respeito da necessidade da presença de três testemunhas, para revelarem posteriormente a sua visão, e que Jesus Cristo era, e é o Filho amado do Deus vivo. No versículo 9 de Mateus, no capítulo 17 cita:”... Jesus lhe ordenou, dizendo: A ninguém contais a visão até que o filho do homem seja ressuscitado dos mortos”, mas por que?

Resposta: quanto mais perto da cruz se aproximava, o Senhor Jesus,  evitava qualquer manifestação popular em seu favor, que bem podia ter acontecido se os discípulos tivessem proclamado o que presenciaram, já que a palavra de três testemunhas para os judeus tem grande peso.

b) _ Podemos observar no velho testamento que o Espírito Santo actuava por meio dos homens específicos e escolhidos por Deus para um propósito divino, (ver I Pedro 1:10-11/ Actos 1:16).

No caso de João Baptista, como Jesus ainda não tinha ressuscitado, o Espírito Santo actuava da mesma forma que no velho testamento. Após a ressurreição de Cristo, e nos dias atuais, o Espírito Santo habita em todo o povo de Deus, povo este que aceitou e confessou a Jesus como seu Salvador e Senhor pessoal, (ver Rom.10:9), deixando de ser simples criaturas para se tornarem filhos de Deus (veja I João 3:10 e João 1 :12). Note: que em Lucas 1:13-17, no qual está escrito no versículo 17: “...e irá adiante dele o espírito e virtude de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos...”. Então, observamos a fidelidade inabalável do profeta Elias a Deus e ao  seu conserto, que o faz, para todo o sempre, um exemplo de fé, coragem e lealdade a Deus, perante  intensa perseguição e oposição. Elias opunha-se, com resoluta persistência às falsas religiões e seus adeptos. Tal virtude espiritual como é aludido no evangelho de Lucas, está presente em João Baptista, e no próprio Cristo, virtude essa que provém do Santo Espírito de Deus.

c) _ João Baptista era de facto o que está escrito em  Mateus 11:10 e João 1:23, e não o Elias reencarnado. Contudo, tinha características e uma missão semelhantes.  Citemos em Malaquias 4:5-6, que regista a profecia metafórica (que tem relação de semelhança) de reaparição de Elias, a qual se cumpriu como disse Jesus, em João Baptista, (Mt 11:14-15;Lc 1 :17). Em Mateus 11:13 Jesus revela todos os profetas que profetizaram até João, o discípulo (que escreveu o livro de Apoc.). E isto inclui Elias; e a eles Jesus acrescenta João Baptista, mas não como profeta. O Espírito Santo de Deus é quem conduzia e inspirava João Baptista (Lc. 1 :15), e ele foi morto; também o filho do homem, Jesus, defrontaria um destino semelhante. Percebe-se que, a missão de ambos, João e Elias, era preparatória dos propósitos de Deus, e que João Baptista veio ligar o velho com o novo testamento.

Em Lucas 4:14 e 18, pela mesma virtude do Espírito Santo, Cristo cumpria os propósitos maiores do Pai, porque, diz o texto: " O espírito do Senhor é sobre mim..."- aí, demonstra-se que cumpriu a profecia de Isaías (ver Is. 61:1). Lógicamente, não justifica o pensar dos escribas, intérpretes credenciados das escrituras Hebraicas, quando faz alusão os discípulos de Jesus, à pergunta em Mateus 17:10, que diz:”... porque dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro?”

A hipótese dos escribas era a de que  a ressurreição de Cristo significaria o fim do mundo e a iniciação do Reino do Messias. Assim, concluíam que era necessário Elias voltar e manifestar-se públicamente primeiro e, assim o foi na presença das três testemunhas já ditas, sua aparição no monte só por si, justificaria essa espera, cumprindo-se o que havia sido dito, contudo, não compreendido pelos mesmos e pelos judeus, quando veio o povo a tomar conhecimento deste facto, após a ressurreição de Jesus.

Citamos em João 1:21 que narra a fala de João Baptista: "...és tu Elias? E disse: não sou. És tu profeta? E respondeu :não.", quando também já havia negado enfáticamente que não era Cristo e bem disse: "...Eu sou a voz que clama no deserto..." (João 1 :23). Os espíritas refutam dizendo que João não se lembrava que era Elias, e que nós não lembramos de quem éramos.  (Só Kardec e muitos espíritas se lembram de quem foram? Se fosse isso. o facto de não se lembra,  João poderia ter dito... não me lembro?) Ora, João afirmara o que Jesus testificaria depois em Mateus 11:9, que João Baptista era muito mais que um profeta, um anjo do Senhor, (ver Mateus 11:10,11 e Malaquias 3:1).

João nega ser Cristo, Elias e o profeta predito por Moisés em Deuteronômio 18:15; e sim um instrumento do próprio Deus, que por seu meio advertia os homens do pecado, da justiça e do juízo, descartando com a sua resposta, a suposição dos enviados dos fariseus.

Ratificando as palavras de Jesus: "E , se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir", (Mt. 11:14). Jesus afirma que se os judeus o recebessem (Cristo), entenderiam também, que João cumprira a predição veterotestamentária sobre a vinda do Elias antes do dia do Senhor,
(veja Mt.17:12; Malaquias 4:5).

d) Por que Elias jamais poderia ser João Baptista reencarnado?

Por que se assim o fosse, não poderia ser Elias a aparecer juntamente com Moisés na transfiguração, uma vez que João Baptista teve sua morte posterior ao profeta Elias. Este detalhe revela-nos algo fundamental e racionalmente lógico, e que
descarta de vez esta mentira do espiritismo já que, segundo a doutrina de Kardec, na questão 150 do Livro dos Epíritos, lê-se que "a alma tem um fluído que lhe é próprio, colhido na atmosfera de seu planeta, e que representa a aparência de sua última reencarnação". Então, a última aparência daquela alma, que em determinado momento recebeu um corpo humano e se chamou Elias, seria a de João Baptista. O que significa dizer que os próprios "espíritos" de Kardec fizeram coro com João Baptista quando afirmou não ser Elias. Eu concordo! Porque se assim fosse, deveria aparecer João Baptista com Moisés.

E mais, em II Reis 2:1 diz: "Sucedeu pois que havendo o Senhor de elevar a Elias num redemoinho ao céu, ...", e adiante, II Reis 2:11 revela:  "E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, os separou um do outro:
e Elias subiu ao céu num redemoinho". Óbviamente, a palavra de Deus diz que Elias não experimentou a morte física, pois seu corpo transfigurou-se semelhante ao de Jesus no monte  (estudar capítulo 17 de Mateus), e subiu ao céu, assim como Enoque  (averiguar Gênesis 5:24), com o corpo glorificado. A transladação de Enoque e Elias, assemelhar-se-á ao arrebatamento futuro dos cristãos (a Igreja, a noiva de Cristo), na segunda vinda do Messias (comprove em I Tessalonicenses 4:16,17) e isto tudo torna ainda mais incoerente a tese da reencarnação.

O Espiritismo nega a obra de Jesus Cristo

   O espiritismo ensina que o homem, através de sucessivas reencarnações, pelos seus próprios esforços e pela práctica das boas obras se vai aprimorando a si mesmo, sem que haja necessidade do sacrifício vicário de Jesus Cristo.

 

   A Bíblia diz-nos que a nossa salvação é obra divina; o espiritismo diz que é esforço humano.

 

   A Bíblia diz que o sofrimento de Cristo na cruz foi a nossa expiação, que Jesus tomou o nosso lugar; o espiritismo diz que Jesus foi um mero espírito adiantado, que nos serve apenas de exemplo. ( mas... o espiritismo não afirma que os espíritos adiantados se encontram noutros palnetas, mais avançados?)

 

   A Bíblia diz que o sangue de Cristo nos purifica de todo pecado e que o Espírito Santo nos ensina toda a verdade e nos convence do pecado, da justiça e do juízo; o espiritismo, ignora a Trindade Divina, reduz toda a expiação à obra dos "espíritos" - os espíritos dos mortos que segundo Kardec,  nos orientam e aconselham, e o espírito de Cristo, que, tendo alcançado um nível superior, mesmo assim se encarnou para servir como exemplo.

   Diz-nos Kardec, sobre a graça: "... se fosse um dom de Deus, não daria merecimento a quem a possuísse. O espiritismo é mais explícito, porque ensina que quem a possui ( a graça) a adquiriu pelos próprios esforços em  sucessivas existências, emancipando-se pouco a pouco das suas imperfeições." (Allan Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo, Introdução, IV, XVII). (mais uma vez se pode perguntar: depois de mais de 2000 anos a reencarnar... onde estão os espíritos perfeitos? Se me responderem que se encontram noutros planetas, mais avançados, porque é que o espírito totalmente perfeito, Jesus Cristo, encarnou aqui?)

   Que contradição com as Escrituras! Deus não nos salva com base em quaisquer méritos pessoais nossos, mas únicamente por Sua graça: "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;"
"Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus." (RM 3:23 e 24)
.

   O ensino espírita segundo o qual "Fora da caridade não há salvação" identifica a salvação com a práctica de boas obras. Entretanto, as boas obras não salvam, nem ajudam ninguém a salvar-se. Paulo afirma em Efésios:
"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus."
"Não vem das obras, para que ninguém se glorie;" (EF 2:8 e 9)

    Ele declara que fomos criados em Cristo para as boas obras: "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas." (EF 2:10). Portanto, não somos salvos pelas obras, mas para as boas obras.
As boas obras são o resultado da nossa fé em Cristo, pois quando nos tornamos novas criaturas, quando nascemos de novo da água e do Espírito Santo, mediante a fé Nele, abandonamos as prácticas más e nos voltamos para a práctica do bem. "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (2CO 5:17)
    Logo, as boas obras são a manifestação do amor que a pessoa tem a Deus.

   A Bíblia mostra-nos claramente que todo o problema do homem é motivado pelo pecado, pois "todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Rm 3:23). Deus ama os pecadores, porém o pecado separa o homem de Deus:
"Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir."
Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o Seu rosto de vós, para que não vos ouça." (IS 59:1 e 2)

    O homem nada pode fazer para alcançar a justificação diante de Deus. O sofrimento e as boas obras, como apregoa o espiritismo, jamais serão suficientes para vencer a distância que o separa de Deus, pois, como expressou o profeta Isaías,
"... todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam." (IS 64:6).

   O estado do homem é profundamente desesperador, porém não irremediável, "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3:16)
    Jesus Cristo veio ao mundo com um objetivo específico, o de
"dar a sua vida em resgate de muitos" (Mc 10:45).

   Cristo ofereceu-se a si mesmo a Deus pelos nossos pecados, para que possamos obter a salvação: "Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito;" (1 Pe 3:18) "Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados." (1 Pe 2:24).

   Que contraste com o que ensina o espiritismo! Vejamos o que escreveu Léon Denis mais conhecido por Allan Kardec ao negar o valor do sacrifício de Cristo em nosso lugar: "Não. A missão do Cristo não era resgatar com o seu sangue os crimes da humanidade (não foi o que o próprio Cristo disse...) O sangue, mesmo de um Deus, não seria capaz de resgatar ninguém (porque será então que Deus prometeu o Messias que salvaria o povo do pecado?E porque é que Jesus Cristo afirmou ser a salvação e a vida?)Cada qual deve resgatar-se a si mesmo, resgatar-se da ignorância e do mal. Nada de exterior a nós poderia fazê-lo (só Deus, o nosso Criador... digo eu...) É o que os espíritos, aos milhares afirmam em todos os pontos do mundo. (Espíritos que negam a verdade pela qual Jesus Cristo deu a Sua vida só podem ser... demónios. O Único que até hoje procura ocupar o trono de Deus e destruir o homem é satanás). Percebe-se aqui uma contundente tentativa de negar o valor da obra expiatória de Cristo na cruz. Ao dizer que o sangue, "mesmo de um Deus", não poderia resgatar ninguém, Denis está implicitamente, mais uma vez, a negar a divindade de Jesus, a qual, como vimos, é afirmada pelas Escrituras.

   O conceito espírita de salvação é aquele que a Bíblia chama de "outro evangelho".

   Ele é tão contrário ao caminho da salvação de Deus que a Palavra de Deus  coloca-o sob maldição divina: "Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema." (GL 1:6 a 8). A salvação vem únicamente pela graça (favor imerecido) de Deus e não por qualquer coisa que a pessoa possa fazer para ganhar o favor de Deus, ou pela sua retidão pessoal. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie". (Ef 2:8 e 9).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As mentiras da doutrina espírita 3ª parte

   A Bíblia é clara quando afirma que uma vez que se aceite a Jesus como Salvador os nossos pecados serão justificados, sem necessidade de qualquer acção complementar, até porque uma acção complementar seria admitir que o trabalho de Deus na pessoa de Jesus Cristo foi incompleto.

 

  João 3:16-18 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.
  João 5:24 - Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas já passou da morte para a vida.

Nada que façamos por nós mesmos terá valor como obra de salvação. Somente o sacrifício vicário de Jesus é suficiente para nos redimir dos nossos pecados.

  Efésios 2:8-9 - Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.


   
A crença espírita define que planetas habitados estão em fases diferentes de "evolução", e que conforme o indivíduo evolui renascerá em planetas com uma condição de vida superior. Apesar de até hoje nunca se ter provado a existência de vida noutros planetas... A Terra, para o espiritismo,  é um planeta de expiação, ou seja, de castigo para os que nela habitam, permitindo assim que os pecados cometidos possam ser pagos.
   A Bíblia ensina-nos claramente que há apenas dois destinos para o ser humano que morre: céu e inferno. Não existem estágios intermediários. Ou o ser humano se salva crendo em Jesus pela fé ou é condenado por rejeitá-LO.

 

  João 3:18 - Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.


   
Como ficou claro pelas passagens referenciadas acima, não há qualquer possibilidade de um indivíduo progredir espiritualmente sem que primeiro aceite a Jesus como Salvador e Senhor. É esta aceitação que torna este indivíduo pronto para realizar boas obras.

 

 

 Tiago 1:17-18 - Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação. Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas.
  João 6:28-29 - Perguntaram-lhe, pois: Que havemos de fazer para praticarmos as obras de Deus? Jesus lhes respondeu: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.


   
A crença de que não podemos chegar directamente a Deus, em parte é verdadeira, pois, só poderemos chegar a Deus Pai através de Jesus Cristo. O pecado impõe uma barreira intransponível entre o ser humano e Deus.

 

  Romanos 3:23 - Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

Mas, justamente para trazer-nos novamente a Deus é que Jesus foi enviado, esta era precisamente a sua missão:

  João 3:16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
  João 1:12 - Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;


   
O único caminho para Deus é crer em Jesus, não há como encontrar a Deus através de quaisquer espíritos "guias". Isto fica bem claro nas palavras de Jesus:

 

  João 14:6 - Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.


  
  É Jesus Deus, ou não?

 

  João 1:1-3 - No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
  João 1:14 - E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.
  Êxodo 3:14 - Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos olhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.
  João 8:57-58 - Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos, e viste Abraão? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU.
  Isaías 9:6 - Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz.
  Mateus 1:23 - Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco.
  João 10:30 - Eu e o Pai somos um.
 
Filipenses 2:10-11 - para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.
  I João 5:20 - Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.

 

   Não se pode negar que Jesus foi um ser humano, mas foi um ser humano de natureza única: Jesus Cristo é o Filho de Deus que se fez carne para nos representar junto ao Pai, e como homem sofreu e morreu pelos nossos pecados.

Portanto, não se pode negar também a sua divindade, o que fica claro pelas passagens acima.
Conclusão:
Não nos é possível aceitar a tese defendida pelos espíritas à luz das Escrituras Sagradas, posto que a sua tese é completamente contrária a tudo que a Bíblia ensina.

Pág. 6/6