Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

POBRES ESPÍRITAS ENGANADOS... OH PAULO, QUANTA IGNORÂNCIA

O Paulo, completamente manipulado pela doutrina espírita, além de não mostrar capacidade para responder às perguntas que entretanto lhe coloquei, revela nos seus comentários de "copy paste" a sua total falta de entendimento e conhecimento das Escrituras e de QUEM Cristo é!

Só pode ser esse o motivo para escrever isto:

 

"Vc afirma que Jesus é Deus, puxa!!!  Jesus disse “Eu e o Pai somos um” (João 10:30). Falta interpretar !!!, vc está fascinada pela Bíblia minha amiga, a fascinação leva a pessoa acreditar no  " pé da letra", é como dizer que 2+ 2= 5 e o fascinado acredita!!! Como querer comparar Jesus com Deus, é absurdo !!!!!"

 

Tão pobre, tão sem conhecimento que é confrangedor!

Vejamos: QUEM É JESUS CRISTO E QUEM É QUE ELE AFIRMOU SER

 

 

A Palavra de Deus diz-nos: "No princípio (Jesus Cristo) era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus."; E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." - (João 1:1 e 14 - ACF)

Antes de vermos mais passagens da Bíblia nas quais a Divindade de Jesus é revelada de forma inequívoca pelo próprio, convém percebermos  que: _ se há coisa que Satanás deseja veementemente, é ver negada a  Divindade do Senhor Jesus.

Todas as doutrinas que usam o nome de Jesus e se dizem cristãs, mas não o são, afirmam que Ele não é Deus. Por isso, os demónios, ensinaram a Kardec: "Esta passagem dos Evangelhos [João 1.1,14] é a única que, à primeira vista, parece encerrar implicitamente uma idéia de identificação entre Deus e a pessoa de Jesus. Não exprimem senão uma opinião pessoal [de João]. Jesus pode, pois, estar encarregado de transmitir a palavra de Deus sem ser Deus” (Obras Póstumas, Alan Kardec, 1993, 1a edição, p. 145 e 146)."

 

Poder até podia, mas... não era a mesma coisa! E... infelizmente para Kardec, esta não é a única passagem dos evangelhos que afirma a divindade de Jesus Cristo e o identifica como Deus. Quando a ser uma "opinião pessoal de João", porque é que a opinião de Kardec, que viveu mil e muitos anos depois de João, seria mais credível do que a de uma testemunha ocular, um discípulo  do Senhor Jesus?

Presunção é coisinha que nunca  faltou a Kardec, mas a Bíblia diz-nos sempre a verdade. Ela é a Palavra de Deus e diz-nos quem é Jesus. Felipe, um dos apóstolos, pediu a Jesus Cristo:  "Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta." - (João 14:8 - O Livro - A Bíblia para Hoje).

Jesus, respondeu-lhe: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?" - (João 14:9 - ACF)

Ainda antes disto, correndo o risco de ser apedrejado até à morte pelos judeus, Jesus já lhes havia dito: "Eu e o Pai somos um". - (João 10:30 - ACF) a única passagem que o Paulo parece ter lido nas obras espíritas porque não conhece nada da reacção dos judeus.

E vendo que eles, enraivecidos, pegavam em pedras para o apedrejar, perguntou-lhes: "Tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu Pai; por qual destas obras me apedrejais?"_ (João 10:32 - ACF) Ao contrário de Kardec e do Paulo, os judeus perceberam claramente a declaração de Jesus e responderam: "Não por qualquer obra boa, mas por ofensa a Deus; pois tu, um simples homem, afirmas ser Deus." - (João 10:33 - O Livro - A Bíblia para Hoje).

Claro que os judeus já tinham ouvido o Senhor Jesus afirmar: "Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU." - (João 8:58) e, como estudiosos das Escrituras, imediatamente perceberam que Jesus afirmava ser Deus e falava da sua igualdade com o Pai. Eles lembraram-se imediatamente das palavras ditas pelo próprio Deus: "E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós." - (Êxodo 3:14 - ACF)

No evangelho de Mateus, que Kardec não deve ter lido, e se leu, não entendeu ou ignorou, vemos a afirmação de Pedro: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo." - (Mateus 16:16 - ACF) face às palavras de Pedro, Jesus respondeu: "Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus." -(Mateus 16:17- ACF)

 

No Dicionário VINE, podemos ler: _"O título "O Filho de Deus", não recusado por Jesus, designa uma relação eterna entre o Filho e o Pai na Deidade.

O Verbo, isto é, o Filho, estava com Deus no princípio e era Deus. "Ele é considerado Filho, não porque em certo tempo começou a derivar Seu ser do Pai (em tal caso, Ele não poderia ser co-eterno com o Pai), mas porque Ele é e sempre foi a expressão do que o Pai é (cf. João 14.9). As palavras em Hebreus 1.3: O qual [Jesus], sendo o resplendor da sua glória [de Deus], e a expressa imagem da Sua pessoa [de Deus], são definições do que significa Filho de Deus  (Notes on Galatians, de Hogg e Vine, pp.99,100, citado pelo Dicionário VINE).

 

Como Jesus explicou a Pedro, não é a carne nem o sangue que nos revela a divindade d'Ele, mas sim o Espírito Santo. Da mesma forma, nenhum demónio revela a divindade de Cristo, apesar que O conhecer e saber quem Ele realmente é.

Mas, contrariando a opinião de Kardec, e demonstrando que ele não conhece a Bíblia quando afirma que as passagens de João 1:1 e 14, são as únicas que  "à primeira vista, parece encerrar implicitamente uma idéia de identificação entre Deus e a pessoa de Jesus.", há mais passagens que mostram essa identificação!

Jesus perdoou pecados  "Os teus pecados te são perdoados." - ( Lucas 7:48 - ACF); e garantiu a salvação ao ladrão "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." - (Lucas 23:43 - ACF): Foi claro quando afirmou:  "Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás." . (Mateus 4:10 - ACF) E, como Deus que é, aceitou a adoração do leproso:  "E, eis que veio um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo." - (Mateus 8:2 - ACF); e dos que O acompanhavam: "Então aproximaram-se os que estavam no barco, e adoraram-no, dizendo: És verdadeiramente o Filho de Deus." - (Mateus 14:33 - ACF);  Não rejeitou nem repreendeu quem lhe chamou Deus:   "E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!" (João 20:28 - ACF);  pelo contrário,  afirmou ter direito à mesma honra que é oferecida a Deus  "Para que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou." - (João 5:23 - ACF)

 

Agora, gostaria de vos convidar a responder às seguintes perguntas:

_ Qual é a prova de que, o que o apóstolo João escreveu, foi apenas uma opinião pessoal?

_ Se sim... todos os quatro evangelistas deram apenas opiniões pessoais, sem valor?

_ Eu respondo:

_ NÃO!

A Bíblia é a palavra de Deus, e foi escrita sob inspiração divina como afirma o próprio João:  "O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida (Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e nos foi manifestada); O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão connosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo." - (1 João 1:1-3 - ACF)

A sinceridade e a verdade das suas palavras são de um discípulo que nunca abandonou o Mestre. Nem ele, nem os outros evangelistas  emitiram apenas "meras opiniões pessoais" como pretende Kardec.

Eles acompanharam o Mestre em todo o Seu ministério. Eles viram os Seus milagres, viram-NO morrer, viram-NO ressuscitado e presenciaram a Sua ascensão ao céu. Pedro é incisivo:

"Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas artificialmente compostas, mas nós mesmos vimos a sua majestade” (2 Pedro 1:16 - ACF).

Os apóstolos não defenderam teses; eles escreveram e falaram de factos reais por eles presenciados.

Todas as pessoas são chamadas a tomar uma decisão perante o Senhor Jesus Cristo. Aqueles que O rejeitam agora, um dia ajoelhar-se-ão aos Seus pés como está escrito:

"Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai." - (Filipenses 2:9-11 - ACF)

Queiras ou não queiras, de livre vontade ou contrariado, curvar-te-ás diante d'Ele e  então, verás n'Ele o teu Salvador... ou o teu Juíz?

Ele é o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, dá-lhe o teu coração para Ele reinar. Ele é o Bom Pastor. Ele deu a vida pelas suas ovelhas.

 

Excerto do meu livro a sair brevemente: Lógica? Razão? Coerência?

 

 

 

ESPIRITUALMENTE CEGOS

O Sr. Paulo deixou aqui um texto, dos muitos que se propõe deixar por aqui, onde começa com uma das maiores mentiras da doutrina espírita!

Vejamos o que o Paulo copiou e colou:

 

"A Doutrina Espírita é o consolador prometido, que veio, no devido tempo, recordar e complementar o que Jesus ensinou, " restabelecendo todas as coisas no seu verdadeiro sentindo", trazendo, assim á Humanidade, as bases reais para a sua espiritualização."

 

Este texto demonstra da parte dos espíritas um desconhecimento total das Escrituras e terrível facto de estarem afundados no lamaçal do engano.

Usar a Bíblia e algumas palavras de Jesus Cristo sobre o Consolador, o Espírito Santo, e colá-las à doutrina satânica de Kardec, é de uma falta de sabedoria terrível. Qual é a lógica de se pinçar uma promessa (de enviar o Consolador) do Jesus Cristo da Bíblia e ignorar todo o cumprimento dessa mesma promessa que a Bíblia contém? Eu chamo-lhe falsidade e falta de carácter, mas o pior de tudo isso é a triste realidade de que os tais que isto fazem são filhos do maligno e agem debaixo do poder das trevas. Vejamos o que a Bíblia nos ensina sobre o Consolador!

 

O Consolador é Deus na pessoa divina do Espírito Santo.

O Consolador prometido pelo Jesus das Escrituras, da Bíblia, segundo as palavras do próprio Cristo desceria sobre os discípulos em Jerusalém! "E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai (o Consolador); ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder." Lucas 24:49.

Antes de ascender aos céus, Ele voltou a falar-lhes sobre este assunto tão importante: "E, estando (Jesus) com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo ( O Consolador), não muito depois destes dias." Atos dos Apóstolos 1:4-5

Ora, como podemos ver na Bíblia onde Kardec foi buscar algumas palavras de Jesus e a promessa do Consolador, Jesus não disse que o Consolador viria em mil-oitocentos -e-troca-o-passo em França como pretendem os demónios e o codificador espírita, entenderam?
E, o Espírito Santo (o Consolador prometido) desceu sobre os discípulos conforme prometido, vejam: "E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar; E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem." (Atos dos Apóstolos 2:1-4)

 

Os demónios também instruiram Kardec a dizer que o "Consolador" na forma de doutrina espírita : 1) - Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das leis que regem a vida.
2) - Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a razão da dor e do sofrimento.

 

Mas a Bíblia, a Palavra de Deus da qual Kardec pinçou o "Consolador", diz.nos que a função do Consolador (o Espírito Santo), é: "E, quando ele (O Consolador)  vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo. Do pecado, porque não crêem em mim; Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;  E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado." (João 16:8-11)

Chamar consolador ao espiritismo é a mais pura heresia e uma blasfémia terrível. O Consolador, o Espírito Santo, Deus, do qual Jesus Cristo falou não tem nada a ver com a mentira que os demónios sopraram aos ouvidos de Kardec. Usar uma passagem das Escrituras para falar no Consolador e negar todas as demais é sintoma de cegueira espiritual e de falta de inteligência. Demonstra total falta de lógica e coerência. O espiritismo teve o seu início no jardim do Éden quando Satanás incorporou a serpente. Hoje os demónios incorporam os médiuns e conduzem-nos ao infernojunto com aqueles que se deixam seduzir por eles.
O espiritismo não trouxe conceitos novos, apenas uma doutrina que teve a sua origem nos Vedas, nada mais. Espiritismo não é escape, é condenação! Condenação a uma roda de vidas sem fim da qual os povos presos a essa doutrina maléfica anseiam escapar. Vejam:

 

"Will Durant, autor da obra "A História da Civilização" escreveu: "a transmigração da alma ocorre pela primeira vez nos Unipanishads Satapatha, onde se vêem repetidos nascimentos e mortes como um castigo infligido pelos deuses a uma vida má. "A reencarnação nunca foi vista por aqueles que foram criados e ensinados a crêr nela como uma dádiva ou um privilégio. Para eles foi sempre uma maldição da qual ansiavam escapar. Gandhi disse: “Eu não quero renascer”.

Gandhi, como qualquer outro  hindú, aspirava  escapar da roda maldita porque a reencarnação nunca simbolizou algo parecido com a salvação e nunca foi vista como o caminho para ela. Longe disso, ela era "a péssima situação de perdição" em que aqueles que nela criam julgavam encontrar-se e da  qual era urgente escapar. O famoso poeta hindu Kalidasa na sua peça "Shakuntala", disse: "E possa o purpúreo Ser Supremo cuja energia vital penetra todo o espaço. De futuras transmigrações salvar-me a alma!"

Em plena rota de colisão com a maldição sem fim  das sucessivas reencarnações que a doutrina espírita adoptou, a Bíblia fala-nos  de ressurreição e, em lugar de carma, oferece perdão. Muito longe de ser uma roda da qual o crente procura fugir, a resssurreição é justamente aonde ele almeja chegar. Ressuscitar é a viva esperança de todo o cristão, que tem na ressurreição de Cristo a prova necessária para crêr: "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós" (1 Pedro 1:3-4).

Muito diferente dos planos de Deus para a salvação e das Suas promessas para nós, a reencarnação nunca foi uma esperança, mas sim uma frustração, uma cadeia que precisa ser quebrada. O nirvana de Sidarta Gautama, o Buda, era a busca por uma aniquilação que libertaria o homem deste cativeiro.

 

A tese do kardecismo que afirma: "ao reencarnar as almas não regridem mas sempre progridem" é uma falácia.

Para chegarmos a esta conclusão, bastaria olharmos para os personagens bíblicos que Kardec usou na tentativa de colar a doutrina hindu à Bíblia. Olhemos para Elias: _ Arrebatado ao céu numa carruagem de fogo num primeiro relato bíblico,  depois de uma vida de muito sofrimento, na qual se manteve fiel e serviu a Deus como profeta do Altíssimo; voltou  à terra para viver uma vida de mais privações, muito sofrimento e acabar preso e decapitado a mando de Herodes! O que é que progrediu? Os anos?

E, se olharmos para Jesus Cristo? Segundo afirmou Kardec, Ele já era um espírito puro, tão puro que ao reencarnar (porque precisaria fazê-lo?), nasceu pobre, foi rejeitado, perseguido e, sendo inocente foi acusado e injustamente condenado à pior de todas as mortes, a morte na cruz reservada à pior escória da sociedade. Progrediu?

Razão têm os pobres hindús quando desejam escapar da roda maldita. Só não entendo porque é que tantos ocidentais desejam entrar nela!  A reencarnação é um círculo do qual não há escapatória, a ressurreição é uma linha recta rumo ao Criador. Quem crê em Jesus Cristo e na ressurreição, não crê num círculo que  sempre recomeça; mas sim num processo cujo fim é habitar no lugar que Jesus nos foi preparar, e viver uma vida eterna na Sua presença. São d'Ele estas palavras: "Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;" - (Mateus 25:34)

Maravilhosa promessa!

 

 

PORQUÊ?

 

_ Porque é que a doutrina espírita tem tanta necessidade de se afirmar cristã?

_ Porque é que têm tanta necessidade de falar na Bíblia?

_ Porque é que dizem crêr num Jesus salvador?

_ Porque insistem em afirmar que seguem os ensinos de Cristo?

Já sabemos que o Jesus do espiritismo, não tem nada em comum com o Jesus da Bíblia. O Jesus do espiritismo é alguém criado sob medida por Kardec para a doutrina que diz ter codificado. Gostaria de compartilhar convosco algumas frases que os espíritas usam quando querem parecer cristãos:

Os espíritas afirmam: "Conheço e ensino toda a Bíblia, (...)"

Primeiro temos de perceber que os espíritas não consideram que a Bíblia é a Palavra de Deus e que a estudam à luz das obras espíritas! Conforme escreveu um espírita de renome: "Nem a Bíblia prova coisa nenhuma, nem temos a Bíblia como probante. O Espiritismo não é um ramo do Cristianismo como as demais seitas chamadas cristãs. Não assenta os seus princípios nas Escrituras. Não rodopia junto à Bíblia... Mas a nossa base é o ensino dos espíritos, daí o nome _ Espiritismo” (À Margem do Espiritismo, pagina 214,). Esta é a verdadeira crença de um espírita! Ele não crê na Bíblia. Pode estudá-la todos os dias, mas de forma errada, ignorando a maior parte do seu ensino e subjugando a Palavra de Deus ao evangelho de um homem e dos demónios que o inspiraram.

Aliás, a Palavra de Deus é-nos revelada pelo Espírito Santo e, os espíritas não acreditam n'Ele. Eles acham-se o próprio...

 

Quando um espírita afirma: "Acredito que Jesus Cristo é o Salvador da humanidade".

Temos que lhe perguntar se está bem ... se tem  consciência do absurdo que está a afirmar porque, a própria doutrina espírita contraria esta tese!

Se Ele é o Salvador, se Ele veio para nos salvar, porque não aceitar a verdade que começou na cruz quando Jesus disse ao ladrão arrependido: "(...) Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." (Lucas 23:43). A possibilidade da reencarnação, por si só, nega a suficiência da obra redentora de Jesus Cristo no Calvário. Se a reencarnação fosse uma forma de alcançar a salvação, Jesus teria dito ao ladrão que precisaria reencarnar até se aperfeiçoar... afinal ele era um criminoso, só os maiores criminosos eram sentenciados a morrer na cruz! Além disso, se Ele é o Salvador, veio salvar-nos de quê? A Bíblia diz-nos que Ele veio salvar-nos da morte e do inferno! Mas os espíritas não acreditam no inferno... nem na morte! Então, Ele veio salvar o mundo de quem? Ele, Jesus Cristo diz que veio destruir as obras do Diabo, mas os espíritas contrariam-nO afirmando que o Diabo não existe! Jesus Cristo falou muitas vezes do inimigo das nossas almas, Satanás, mas, faz alguns dias, uma espírita, Miriam Caravello,  escreveu-me isto:  "Pelo visto é uma adoradora do Diabo, pois em seu parco discurso menciona-o a todo instante."!? Será caso para perguntar o que é que ela pensa acerca de Jesus e dos apóstolos que o mencionaram tantas vezes antes de eu o fazer...

Quando ouço um espírita dizer:"Estou me dedicando á causa espírita, que é onde mais se assemelha aos ensinamentos do Cristo.", só posso perguntar:

_ Que ensinamentos? Fazer boas obras? Amar o próximo? Mas esses já eram ensinos do Velho Testamento: (...) Convertei-vos, agora, cada um do seu mau caminho, e fazei boas as vossas ações, (...) Jeremias 35:15;  "Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR." Levítico 19:18.

Jesus Cristo não veio apenas repetir o que Deus já havia ensinado, muito menos melhorar algo que não é possível melhorar! A Lei de Deus é perfeita.  Jesus Cristo veio morrer no nosso lugar, para nos salvar! Ele consumou a nossa salvação no calvário quando pagou o preço que cada um de nós merece pagar. Quando ele exclamou "Está consumado." João 19:30 e expirou, o véu rasgou-se de alto a baixo! O Véu que nos separava da presença de Deus foi rasgado. Em Cristo temos livre acesso ao trono da graça de Deus! Em Cristo fomos tornados filhos de Deus por adopção: "Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo:" (Romanos 8:14-17).

Termino com um comentário acerca daquilo que os espíritas chamam de "amar o próximo". Por tudo o que tenho presenciado e, salvo raríssimas excepções, o conceito de "amar o próximo" que eles seguem religiosamente passa por insultar todos aqueles que não pensam como eles.

Termino dizendo que não tenho nada contra as pessoas que foram enredadas nas malhas satânicas da doutrina Kardecista e que considero que a crítica construtiva é uma demonstração de amor, o que, por si só justifica a sua procedência e lhe dá o direito de, pelo menos, ser apreciada. Todos os cristãos autênticos têm o dever de lutar com todas as suas forças em prol da salvação de todo aquele que desconhece o poder do sangue de Jesus "Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes." Romanos 1:14.

 

MENTIRAS ESPÍRITAS PROVAM A SUA ORIGEM SATÂNICA

Jesus disse: "Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira." João 8:44

 

O espiritismo codificado por Allan Kardec, tem sido sistemáticamente desmascarado pela verdadeira ciência  que, graças a Deus, se foi desenvolvendo desde  mil-oitocentos-e -troca-o-passo.

É a ciência que tem revelado algumas mentiras sopradas aos ouvidos de Kardec pelos demónios.

Num tempo, em que a ciência ainda não podia desmentir Allan Kardec em todos os seus devaneios, ele afirmou que outros planetas são habitados e que os espíritos lhe tinham falado da constituição dos mesmos: “De todos os globos que constituem o nosso sistema planetário, segundo os Espíritos, a terra é daqueles cujos habitantes são menos adiantados, física e moralmente; Marte lhe seria ainda inferior, e Júpiter, muito superior, em todos os sentidos... Muitos Espíritos que animaram pessoas conhecidas na Terra disseram estar reencarnados em Júpiter” (O Livro dos Espíritos, capítulo IV, 188, nota 1).

 

Porque será que os cientistas nunca se lembraram de pedir aos "espíritos" que deram toda esta informação a Kardec, para os levar até ao Júpiter habitado por "pessoas conhecidas"? Se quem reencarna, habita um corpo, já não deveria haver provas inequívocas de vida em Júpiter? Pois... mas mais uma vez a ciência não vê qualquer possibilidade de haver vida lá...

Os espíritos também ensinaram a Kardec que: "o planeta Marte não tem qualquer satélite, que Saturno só tem um anel formado pelo mesmo material do planeta, e que algumas estrelas como Sírio são milhares de vezes maiores do que o sol (A Gênese, capítulo VI, 27)."

Ora... ao contrário do ser humano, a ciência evoluiu e desmascarou as mentiras de Kardec:  Marte possui dois satélites naturais, Fobos e Deimos.

Saturno não tem só um anel "Os anéis de Saturno são constituídos essencialmente por uma mistura de gelo, poeiras e material rochoso. Estendem-se cerca de 280 mil quilômetros de diâmetro, não ultrapassam 1,5 km de espessura. A origem dos anéis é desconhecida. Originalmente pensou-se que teriam tido origem na formação dos planetas há cerca de 4 bilhões de anos, mas estudos recentes apontam para que sejam mais novos, tendo apenas algumas centenas de milhões de anos. Alguns cientistas acreditam que os anéis se formaram a partir de uma colisão que ocorreu perto do planeta ou com o planeta. Pensa-se que os anéis de Saturno desaparecerão um dia, cerca de 100 milhões de anos, pois vão sendo lentamente puxados para o planeta. Os anéis podem mudar de cor. Observado através de telescópio, o anel A e o B são vistos facilmente, no entanto, os anéis D e E são vistos somente em óptimas condições atmosféricas. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Saturno_(planeta)

 

Quando confrontamos os espíritas com estas descobertas que mostram que os espíritos mentiram, eles alegam que: "naquele tempo não havia o conhecimento que há hoje, blá, blá, blá...", mas devido à sua fé cega em Kardec, e à falta de conhecimento científico, esquecem -se, ou simplesmente não sabem, que: Galileu Galilei foi o primeiro a observar os anéis de Saturno no ano 1610, porém devido à baixa inclinação dos anéis e à baixa resolução de telescópio que usou pensou que se tratava de grandes luas. Já em 1659 (194 anos antes dos espíritos mentirem a Kardec!!) Christiaan Huygens, com melhores meios de observação visualizou os anéis com total clareza. James Clerk Maxwell em 1859 demonstrou matematicamente que os anéis não poderiam ser um único objeto sólido, sendo que deveriam ser um agrupamento de milhões de partículas de menor tamanho. Como percebemos, tirando Kardec, todo o mundo da ciência sabia que Saturno não tinha só um anel...

 Prosseguindo, segundo a ciência:

Saturno é um planeta gasoso, principalmente composto de hidrogênio (97%), com uma pequena proporção de hélio e outros elementos. Seu interior consiste de um pequeno núcleo rochoso e gelo, cercado por uma espessa camada de hidrogênio metálico e uma camada externa de gases. Os anéis de Saturno são constituídos essencialmente por uma mistura de gelo, poeiras e material rochoso, por vezes comparados a uma pista de patinagem. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Saturno_(planeta)

Ou seja: Além de não ser só um, os anéis de Saturno não são formados da mesma matéria do planeta.  

E, quanto a Sírio... mais uma vez os espíritos mentiram! Sírio não é "milhares de vezes maior que o Sol" como nos diz a ciência:"Sírio (Sirius, α CMa, α Canis Majoris, Alpha Canis Majoris) é a estrela mais brilhante no céu noturno, com uma magnitude aparente de −1,46, localizada na constelação de Canis Major. Pode ser vista a partir de qualquer ponto na Terra, sendo que, no Hemisfério Norte faz parte do Hexágono do Inverno. Dista 2,6 parsecs (ou 8,57 anos-luz) da Terra, sendo por isso uma das estrelas mais próximas do nosso planeta. A sua estrela vizinha mais próxima é Procyon, à distância de 1,61 pc ou 5,24 anos-luz, com um espectro de tipo A0 ou A1 e uma massa cerca de 2,4 vezes maior que a massa do Sol." (http://pt.wikipedia.org/wiki/Sirius)

 

2,4 vezes maior que o Sol! 2,4! não milhares.

Tudo isso é racional? Coerente? É lógico que não. Diante das informações mencionadas acima, será que alguém pode confiar nos espíritos que influenciaram e revelaram as doutrinas espíritas a Allan Kardec?

A resposta lógica, coerente e racional é: NÃO. Se os espíritos por trás de Allan Kardec não são confiáveis quando falam das coisas deste mundo, muito menos o serão ao tratar das coisas espirituais, relacionadas com a salvação da alma e com a vida eterna.

 

O Pai imolou o Filho, debaixo de Sua Ira

O grande problema para a humanidade, é que Deus é verdadeiramente justo, e todos os homens são verdadeiramente ímpios.
Para ser justo, Deus tem de condenar o homem ímpio. Mas Deus, tendo em vista sua própria glória e demonstrando um grande amor por nós, enviou seu Filho, que viveu nesta terra como homem perfeito.
E, depois, em harmonia com o plano eterno de Deus, o Filho morreu naquela cruz, no Calvário. E, naquela cruz, Ele levou o nosso pecado e, permanecendo ali como nosso substituto legal e assumindo a nossa culpa, se tornou maldição por nós. "Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las" (Gálatas 3.10).
Cristo redimiu-nos da maldição, tornando-se maldição em nosso lugar (Gálatas 3.13).
Muitas pessoas têm uma visão romântica e pobre do evangelho: Acham que Cristo estava lá, pendurado na cruz, sofrendo as aflições impostas pelo império romano, e que o Pai não teve a fortaleza moral de suportar o sofrimento de seu Filho, então, Ele se retirou. NÃO, o Pai retirou-se porque seu Filho se tornou pecado!
Assim, quando as pessoas leem que o Filho esteve no jardim e clamou: "Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice" (Mateus 26.39), elas especulam:
"Bem, o que havia nesse cálice? Ora, era a cruz dos romanos. Eram os açoites. Eram os cravos. Era todo aquele sofrimento".
Não quero ignorar o sofrimento físico de Cristo na cruz, mas o cálice era o cálice de Deus — a ira do Pai que tinha de ser derramada sobre o Filho. Alguém tinha de morrer, levando a culpa do povo de Deus, abandonado pelo Pai, por causa de sua justiça, e esmagado sob a ira de Deus — pois "ao SENHOR agradou moê-lo" (Isaías 53.10).

Há algum tempo estive num seminário na Alemanha e vi um livro intitulado A Cruz de Cristo (não era o livro escrito por John Stott; era outro.)
Peguei-o e comecei a lê-lo. E o livro dizia isto: "O Pai olhou do céu e contemplou o sofrimento infligido ao seu Filho pelas mãos dos homens e considerou isso como pagamento por nossos pecados". Isso é heresia!
Aquele sofrimento físico, aquela crucificação — tudo fazia parte da ira de Deus. O sacrifício tinha de ser um sacrifício de sangue. Não tirarei nada disso.
Mas, meu amigo, se você parar nesse ponto, você não tem o evangelho.
[...] Abraão levou Isaque até à montanha — seu filho, seu único filho, que ele amava. Você acha que o Espírito Santo estava tentando dizer-nos algo sobre o futuro?
E, aquele filho não ofereceu qualquer resistência e deitou-se no altar. E, quando aquele pai entregou sua vontade à vontade de Deus, desceu aquele cutelo para penetrar no coração de seu próprio filho. Mas, a sua mão foi detida, e foi dito ao velho homem que Deus tinha provido um cordeiro para o holocausto. 
Muitos cristãos pensam: "Oh! que final lindo para essa história!"
Isso não é o final; é apenas um intervalo. Milhares de anos depois, Deus, o Pai, colocou sua mão sobre o rosto do Filho, seu único Filho, que ele amava, e tomou o cutelo da mão de Abraão e imolou o seu Filho unigênito, com toda a força de sua ira, na cruz do Calvário.

- Paul David Washer │ Dez Acusações Contra a Igreja Moderna
------------------------------ ♦ Trecho do Livro “Dez Acusações Contra a Igreja Moderna” ♦ Fonte: Editora Fiel (www.ministérioFiel.com.br) ♦ Assista o vídeo desta pregação: www.youtube.com/watch?v=nAQh4t7l4g0 ♦ Baixe o e-book: http://livros.gospelmais.com.br/files/livro-ebook-10-acusacoes-contra-a-igreja-moderna.pdf
Ver mais

Pág. 2/2