Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

A Ressurreição de Jesus Cristo

 

Mateus 28:1-8

Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. (v.6)

 

Introdução - A Notícia da Ressurreição  

 

         As mulheres, Maria Madalena e a outra Maria, foram ao sepulcro bem cedo na madrugada de Domingo. Porquê? Esperavam encontrar lá sepultado o corpo de seu  Mestre e Senhor. Queriam tratar dele, ungi-lo como era costume. As suas intenções eram boas, mas o seu desejo não lhes foi concedido. Porquê? Era contrário aos desígnios de Deus. Inclusive, não estava em conformidade com o que Cristo tinha predito e declarado antes: …já ressuscitou, como havia dito..., esclareceu o anjo.

         Isto ensina-nos que, como crentes, por vezes abrigamos desejos e esforçamo-nos por coisas, e oramos intensamente por assuntos que jamais alcançaremos, ou por nossa ignorância, ou nosso esquecimento, ou nossa falta de atenção à Palavra de Deus. Não alcançamos aquilo que é contrário à vontade e aos planos de Deus.

        

         Foi o caso da ida matinal das mulheres ao sepulcro em busca do corpo morto de Jesus Cristo. Deus tinha trocado a tristeza de um cadáver pela alegria de um corpo ressuscitado.

                

         “Ele não está aqui” pode ser uma notícia muito triste de se ouvir. Porém, de seguida, o anjo proclama logo uma notícia muito alegre: …já ressuscitou….

         As Marias já não podiam ver o Cristo sepultado e morto. Igualmente, o mundo não pode ver o Cristo morto. Elas não podiam ungir o Cristo que morreu. Mas vão poder ver o Cristo que vive, que ressuscitou. E poderão prostrar-se aos Seus pés e adorá-Lo.

         

       O mundo, as igrejas, pode e deve, hoje, prostrar-se e adorar o Cristo ressuscitado dentre os mortos. Podemos ouvir as jubilosas palavras: Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos.” (v.7). Lembremo-nos desta preciosa lição.

 

         O texto contém pelo menos três lições centrais. Uma certeza; um Convite e um Mandamento.

 

  1. Uma Certeza – “Ele não está aqui, porque já ressuscitou…”

         Jesus Cristo realmente RESSUSCITOU DE ENTRE OS MORTOS. 

     

     Há tanta evidência da ressurreição de Cristo como de qualquer outro feito comprovado da história. Provavelmente, não haverá nenhum outro evento da história que esteja tão plenamente demonstrado e corroborado como o facto de que Jesus de Nazaré, que foi cravado na cruz, que morreu, e foi sepultado, ressuscitou verdadeiramente.

              

         Tal como cremos nas histórias de Julio César, Alexandre, Vasco da Gama, Colombo, e de outros feitos da História Mundial, baseados em documentos históricos, estamos obrigados a aceitar o testemunho de, pelo menos, quatro livros universais: Mateus, Marcos, Lucas e João. Para sermos honestos, temos que aceitar os testemunhos daquelas pessoas que foram testemunhas oculares de Sua morte, e que O viram depois que ressuscitou dos mortos.

        

  1.         Jesus morreu e foi sepultado - Que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos é uma realidade de facto. Ele permaneceu morto e sepultado para que a Sua morte fosse corroborada, tanto pelos amigos como pelos inimigos.

        

          Não há dúvida que Jesus era um cadáver que tinha que ser depositado no túmulo escavado numa rocha. Podiam tocar aquele corpo frio. Era o mesmo Cristo que antes tinham conhecido em vida. Exactamente o mesmo, mas morto. Podia ver-se o seu rosto desfigurado e aflito pela agonizante morte. E também ver-se os sinais dos cravos, as marcas do ferro que furou as Suas amorosas mãos. Também observar os Seus pés perfurados e o rasgão da lança do soldado romano que fez sair água e sangue do Seu corpo morto. É Ele, o mesmo Cristo! 

 

  1.       O Corpo morto de Jesus ressuscitou - Não foi uma ressurreição espiritual. E foram estes mesmos membros frios, feridos e inertes, que ganharam vida gloriosa pela ressurreição. Foi com este corpo ressurrecto que Jesus Se apresentou aos Seus discípulos, e comeu com eles na praia. Foi este mesmo corpo que Jesus mostrou a todos e foi com os Seus lábios que disse ao incrédulo Tomé:  Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. (Jo.20:27). Não era um fantasma nem um espectro, como Ele disse: “Um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho.

 

         Jesus era um homem real, tão real depois da ressurreição como o tinha sido antes. E Ele é um homem real e Deus hoje na glória celestial, tal como O foi quando estava aqui embaixo na terra.

              

         A ressurreição é um facto tão literal como qualquer outro feito registado na história. Cremos nela: Não está aqui, pois já ressuscitou. E esta verdade alegra-nos muito e consola-nos. Agora, ressuscitado, é o nosso Advogado e Intercessor junto do Pai e está a preparar-nos um lugar no Céu. 

       

De qualquer forma, pela fé cremos nessa ressurreição, mesmo que não tivéssemos hoje tantas evidências. Pois, a vida do crente é uma vida de fé.

   

  1. Um Convite – “Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia”

         Jesus de facto esteve morto no túmulo. Foi o lugar onde o Senhor jazia. Jesus esteve sepultado e morto por 3 dias. Aquele que criou os céus e a terra, Aquele que tem a imortalidade, o Deus eterno, o Filho Unigénito do Pai foi entregue à morte e foi sepultado como um qualquer mortal. Ele esteve realmente morto no sepulcro.

 

          Por quer deveríamos ir e ver o lugar onde Jesus jazia? Bem, primeiro, a Bíblia não nos manda ir visitar o sepulcro de Cristo. O N.T. nunca mostra os discípulos, as igrejas a viajarem para visitar o sepulcro, ou o berço, de Cristo. Isso não se deve fazer. É uma visita em termos espirituais. Quer dizer, devemos meditar nos acontecimentos daquela madrugada de há 2000 anos e reflectir nas suas verdades e lições.

              

         Devemos “ir e ver” o sepulcro de Cristo por dois motivos principais:

 

 1.º - Para que vejamos que fomos nós os causadores da Sua morte. Foi o nosso pecado que levou o Salvador a jazer no sepulcro.  Eu, pecador e transgressor das santas leis do Senhor Deus, eu fui o causador da Sua morte. O meu pecado, o pecado de cada pessoa deste mundo, separa-me do Deus Santo, mas Jesus veio ao mundo e morreu e foi sepultado em meu lugar para que eu, crendo n’Ele, arrependido do meu pecado, amando-O, possa ter a vida eterna. Jesus morreu e jazeu no sepulcro para salvar o imundo pecador, a ti e a mim.

          Jesus esteve morto pela culpa dos nossos pecados. Fazemos bem em ver, espiritualmente, o sepulcro, pois foi causado, não pelos crimes ou pecados de Jesus, pois ele é Santo, mas pelo meu pecado. Fazemos bem em ir e ver para que nos arrependamos e nunca mais vivamos para o pecado.

 

         Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. Vamos e vejamos onde colocaram Jesus para ressuscitar ao terceiro dia, para que celebrarmos o triunfo sobre a morte. Cristo despedaçou as portas do inferno e ressuscitou.” Agora, hoje, cantemos-Lhe e demos-Lhe toda a glória.

 

2.º - Para vermos que o túmulo de Cristo está vazio. Jesus ressuscitou. Ele não está mais pendurado numa cruz, nem está mais sepultado. Jesus está vivo, sentado à direita do Pai, reinando como Rei e Senhor.

 

III. Um Mandamento – “Ide, pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou de entre os mortos” (v.7)

 

         Por fim, a ressurreição de Cristo é para ser anunciada, não é para ficar escondida. A mensagem do Evangelho tem poder, salva e dá nova vida às pessoas, dá esperança da glória eterna e dá a certeza de que os crentes também ressuscitarão, porque Jesus ressuscitou dos mortos.

 

         A igreja, os crentes, têm que continuar hoje, não apenas a crer, mas a testemunhar ao mundo que Jesus Cristo ressuscitou. A morte já foi vencida. E devemos fazê-lo imediatamente.

 

     Crer e confiar na ressurreição de Jesus Cristo é um privilégio. Dar testemunho aos outros desta verdade e do seu impacto na vida de cada um é outro privilégio precioso. Quando o fazemos, estamos a ser aquilo que o Senhor Jesus Cristo nos pediu: Vós sois o sal da terra...vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte. (Mateus 5:13-14). Não se pode esconder a ressurreição de Jesus Cristo.

 

 

Rui Simão

pastor na Igreja Evangélica Baptista de Moreira da Maia

 

11116454_882147418494191_3627691835583217748_n.jpg

 

A PÁSCOA NO NOVO TESTAMENTO

Como vimos no post anterior, a palavra Páscoa deriva do hebraico Pesach ou Peshach, que significa passar por cima, ou saltar; o anjo do Senhor passou por cima das casas dos hebreus assinaladas com o sangue do cordeiro sacrificado. Desta forma, Deus fez com que o Seu povo, escravo no Egipto se tornasse livre.

Devemos acrescentar que o cordeiro deveria ser acompanhado com pão azmo, ou ázimo, - isto é, sem fermento e cujo significado é a contaminação - e por ervas amargas, para lembrar a vida de escravidão passada no Egipto.

Deus concedeu-lhe estatuto perpétuo, ordenando que se celebrasse segundo as indicações por Ele dadas.

 

"E acontecerá que, quando vossos filhos vos disserem: Que culto é este?
Então direis: Este é o sacrifício da páscoa ao Senhor, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas." Êxodo 12:26-27

 

O cordeiro sacrificado prefigura, a vinda, morte e ressurreição de Jesus Cristo, que deu a Sua vida para salvação do mundo. A vinda do Messias foi profetizada ao longo de todo o A.T.

Existem correntes (como o espiritismo) que pretendem convencer as pessoas de que Jesus ressuscitou, não com um corpo físico, mas sim como espírito (mas, o espírito não morre, logo, não ressuscita!). No entanto a Bíblia afirma que Ele teve fome, e ingeriu alimentos sólidos em presença dos discípulos.

"E falando eles [os discípulos] destas coisas, o mesmo Jesus se apresentou no meio deles, e disse-lhes: Paz seja convosco.
E eles, espantados e atemorizados, pensavam que viam algum espírito. E ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que sobem tais pensamentos aos vossos corações? Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. E, dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés.
E, não o crendo eles ainda por causa da alegria, e estando maravilhados, disse-lhes: Tendes aqui alguma coisa que comer? Então eles apresentaram-lhe parte de um peixe assado, e um favo de mel;
O que ele tomou, e comeu diante deles." Lucas 24:36-43


A Palavra de Deus também descreve a dúvida de Tomé:

 

"Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram-lhe, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o meu dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei." João 20:24-25

 

E diz-nos o que aconteceu quando ele viu Jesus ressuscitado:

 

" [Jesus] disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!" João 20:27-28 

 

Agora, que já examinámos a evidência histórica, falaremos um pouco sobre a questão teológica: 
Jesus, após a Sua morte, foi colocado num sepulcro selado, e guardado por sentinelas romanas. Passado o sábado, que era o dia de guarda judaico, as mulheres que iam preparar o Seu corpo, encontraram o túmulo vazio, sem que ninguém lhe tivesse mexido, pois a guarda tinha ordens para não se afastar.

Jesus apareceu depois a várias pessoas e ascendeu aos céus perante muitas mais.

 

Antes de ascender ao céu, [Jesus prometeu]: "E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder [Espírito Santo]." Lucas 24:49

 

Assim, hoje, celebramos a Páscoa que simboliza o sacrifício do Cordeiro, com o derramamento do Seus sangue que nos liberta da escravidão do pecado.

 

pascoa.jpg

 

A PÁSCOA NO ANTIGO TESTAMENTO

- Jacob tinha 12 filhos homens e uma filha de nome Diná. Dois deles eram filhos de Raquel: José e Benjamim.
- José foi vendido, pelos irmãos, e levado para o Egipto, onde se tornou varão importante na casa do Faraó.
- Quando houve uma grande fome na terra, Jacob mandou que os seus filhos fossem ao Egipto para comprar trigo, pois (sem que Jacob e os irmãos de José soubessem), pela excelente administração de José, esta terra tinha armazenado grandes quantidades deste cereal.

- Por essa razão Jacob soube que o seu filho não tinha morrido, como lhes fizeram crer, mas que vivia e que era um homem muito importante. E assim Jacob foi com sua família para lá - ao todo umas 75 pessoas - e lá morreu. Os anos foram passando, tornaram-se em décadas e por fim em séculos, anos que andam à volta de 400 e sucedendo-se também os Faraós que acabaram por escravizar os hebreus.

 

"E aconteceu, depois de muitos dias, que morrendo o rei do Egito, os filhos de Israel suspiraram por causa da servidão, e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servidão. E ouviu Deus o seu gemido, e lembrou-se Deus da sua aliança com Abraão, com Isaque, e com Jacó;" Êxodo 2:23-25

 

E Ele escolheu Moisés para esse fim.

 

"E disse o Senhor: [a Moisés] Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu. E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito." Êxodo 3:7-10

 

O Senhor deu instruções específicas a Moisés para a saída do Seu povo do Egipto:

"O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras.
E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde.
E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem.
E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão.
Não comereis dele cru, nem cozido em água, senão assado no fogo, a sua cabeça com os seus pés e com a sua fressura.
E nada dele deixareis até amanhã; mas o que dele ficar até amanhã, queimareis no fogo.
Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do Senhor.
E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e em todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o Senhor." Êxodo 12:5-12

 

O termo Páscoa, deriva do hebraico, Pesah ou Pesach e do grego, através do latim, Pascha, que significa passar sobre, passar por cima, que foi o que o anjo do Senhor fez nas casas dos hebreus nessa noite.

Esta é a Páscoa judaica até aos dias de hoje.

 

No Próximo post falaremos sobre a Páscoa do Novo Testamento que os cristãos celebram até ao dia de hoje.

 

1513329_1565316017080526_3349639953940605551_n.jpg

 

Pág. 4/4