Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

A Verdade Sobre o Inferno (1)

Mais de 150 mil pessoas morrem todos os dias. São 4,5 milhões a cada mês, um número que excede a população de Los Angeles. Adicione a isso o número de mortos em toda história humana, é uma figura incrível.

Trágicamente, muitas dessas pessoas morreram sem conhecer a Cristo. Qual será o destino delas? Será que elas realmente descansam em paz, ou será que encontram uma realidade diferente para além do túmulo?

Infelizmente, aqueles que rejeitam a Deus e Seu caminho de salvação não encontraram descanso quando morrem.

Eles entram no inferno eterno onde não há paz para os ímpios. Isso é uma realidade desagradável, terrível, mas é o que a Bíblia ensina.

O verdadeiro conflito sobre a doutrina bíblica do inferno é essencialmente uma questão de autoridade.

O que a Bíblia afirma sobre o inferno força você a acreditar ou não, aceitar ou rejeitar. Ficamos com a questão que confronta todos: Você acredita na Bíblia ou não? No final do dia, a resposta determina o destino de cada pessoa que já viveu.

A Bíblia é a única fonte de autoridade que diz a verdade sobre a morte, o inferno e a eternidade. A Bíblia tem a palavra final sobre esse assunto e sobre todos os assuntos, porque é um livro revelado. Ela veio de Deus, do reino espiritual, e tem as respostas sobre onde todos nós passaremos um dia a eternidade.

Então, o que a Bíblia ensina sobre o inferno?

 

O Inferno é real

Longe de lenda, mito, metáfora ou alegoria, a Bíblia apresenta o inferno como um lugar real onde os ímpios sofrem a ira de Deus. Considere estes retratos vívidos do inferno de três diferentes escritores do Novo Testamento:

Então o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.”… Estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna. (Mateus 25:41, 46)

Se a tua mão te faz tropeçar, corte-a. É melhor para você entrar na vida aleijado, do que, tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga. (Marcos 9:43)

E se alguém não foi achado escrito no livro da vida, ele foi jogado no lago de fogo. (Apocalipse 20:15)

A Escritura apresenta um caso terrivelmente claro de um inferno literal.

É um lugar onde Deus castiga os infiéis por toda a eternidade. Ao contrário do que alguns supostos evangélicos ensinam, o inferno não é um estado de espírito ou uma vida sofrida na terra. Seu estado de espírito pode mudar; sua situação pode melhorar.

O Inferno nunca muda, nunca melhora. O inferno não é somente um castigo, é castigo eterno e insuportável promovido pelas mãos de um Deus irado.

De acordo com a revelação que Jesus deu ao apóstolo João, o destino dos descrentes é:

… A beber do vinho da ira de Deus, que é misturado com toda a força no cálice da sua ira. E ele será atormentado com fogo e enxofre, na presença dos santos anjos e na presença do Cordeiro. E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre. Eles não têm nenhum dia de descanso e de noite. (Apocalipse 14:10-11)

Jesus e o Inferno

Embora todos os autores do Novo Testamento reconheçam a doutrina do inferno, Jesus tem muito mais a dizer sobre isso.

A existência do inferno não era algo que Ele questionava, discutia, ou defendia, e Ele certamente não argumentava sobre isso. Ele assumiu a realidade do inferno tanto quanto Ele fez com a ressurreição (João 5:28-29).

Jesus via o inferno como um lugar real, uma certeza, e é assim que você deve fazer, na verdade, Ele é o modelo de como você deve pensar sobre o inferno.

Quando Jesus falou sobre o inferno, seu propósito sempre foi avisar, e não levantar questões ou plantar dúvidas.

Considere as figuras que Ele usou para retratar o inferno, elas claramente não são destinadas a proporcionar conforto, mas sim para assustar.

De acordo com Jesus, o inferno é um lugar de trevas exteriores “(Mateus 22:13), onde há choro e ranger de dentes” (Mateus 8:12). O inferno é uma fornalha de fogo (Mateus 13:42, 50) de incêndios inextinguível “(Mc 9:48-49). O inferno é um lugar de destruição física e espiritual (Mateus 10:28), onde existem infinitos tormentos (Lucas 16:23-24). O inferno é certamente um lugar, um lugar horrível, onde as condições de agonia existem e são eternas.

Não há escapatória

Você já esteve preso em algum lugar em uma situação além do seu controle?

E um avião, um elevador, uma cela de prisão? Em algumas dessas ocasiões podemos até ter uma esperança de resgate ou fuga.

Você se lembra da mina que desabou no ano passado no Chile? Trinta e três mineiros ficaram presos milhares de metros abaixo do solo. Demorou 69 dias, mas todos eles foram resgatados do seu túmulo subterrâneo.

Temos várias histórias como essas, onde contra todas as probabilidades, de uma hora para a outra as pessoas encontram uma saída ou são resgatadas. Mas isso não é possível quando se trata do inferno. Deus construiu a prisão do inferno, e não há portas ou janelas. Deus é o carcereiro do inferno, e não há nenhuma chave. Não existem rotas de fuga, e não há quem seja forte o suficiente para salvar ninguém das mãos de Deus. É por isso que Jesus disse: “Não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Temei antes aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno “(Mateus 10:28).

O inferno não oferece meios de evacuação, salvamento, ou socorro, de jeito nenhum, nunca. Os ocupantes do inferno são selados em sua condenação (Apocalipse 22:11). Amigos e familiares não podem ajudar, Deus não vai ajudar. O tempo de misericórdia passou.

Como alguém que sabe exatamente o destino dos ímpios, Jesus contou a história de um homem rico que era atormentado no inferno:

Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.

Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente, os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos. E, além de tudo, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que querem passar daqui para vós outros não podem, nem os de lá passar para nós. (Lucas 16: 24-26)

Dante parecia entender essa mensagem. Sua inscrição imaginária sobre a entrada no inferno: “Percam a esperança, todos vós que entrais aqui”, justamente o inferno retratado como um lugar onde a misericórdia e esperança são deixados na porta.

Mas alguns rejeitam essa visão, acreditando contra o testemunho da Escritura que Deus dá às pessoas uma segunda chance. Alguns ainda dizem que há uma possibilidade pós-morte para crer no evangelho, arrepender-se e ser salvos. Isso pode parecer atraente (especialmente para os pecadores), mas isso não vem da Bíblia.

Outros sustentam uma forma de universalismo que mantém a falsa esperança de que o inferno não é o destino final para os pecadores. Na sua opinião, a obra redentora de Deus não pára com a morte. Deus acabará reconciliando consigo todas as criaturas, sim, mesmo aqueles no inferno. O evangelista britânico John Blanchard explica que,

todos os caminhos para o inferno são vias de sentido único. A idéia de que aqueles que lá vão, eventualmente, serão liberados e poderão se juntar ao resto da humanidade no céu não tem um pingo de evidência bíblica como suporte.

As crianças ouvem, por vezes, histórias de aventura e ficção com um delicioso final: “E todos viveram felizes para sempre.” Chamamos esse tipo de história de conto de fadas. Universalismo é exatamente isso. (John Blanchard, “Whatever Happened to Hell?”).

Em face de tais evidências, claras e inegáveis, nas Escrituras, parece absurdo que evangélicos professos desafiam a existência, a natureza, ou a eternidade do inferno. Mas não devemos ficar surpresos. Satanás continua seus esforços para fazer o pecado menos ofensivo, o céu menos atraente, o inferno menos terrível, e o evangelho menos urgente.

Não seja iludido pelos ardis de Satanás. A Palavra de Deus não deixa dúvida sobre a existência ou a natureza do inferno. Com clareza e autoridade, Deus nos disse tudo o que precisamos saber sobre o inferno, e como evitá-lo através dos méritos de Cristo.

 

http://amecristo.com/2011/06/13/a-verdade-sobre-o-inferno-tommy-clayton-1/

Tradução: Alisson Pedrosa / @alissompa

Original:  Grace to You

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.