Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Como explica que Deus...

 

Desde o início deste blog, que muitos espíritas fazem comentários como este: Como explica que Deus haja proibido o assassinato (Êxodo 20:13) e mandasse matar todos os homens de Mediã (Números 31:7)?

Sabemos que estes comentários têm como único objectivo achincalhar a Palavra de Deus e julgar o Criador.
Mas, como eu creio que a Palavra de Deus nunca volta para trás vazia, pedi a colaboração do meu amigo, escritor e irmão na fé Agostinho Soares dos Santos, no sentido de elucidar quem de facto desejar conhecer o Senhor e ser salvo. Deus o continue a abençoar poderosamente!

RESPOSTA
Se alguma entidade, nação ou Estado determina a proibição de uma certa prática, é lógico que também estabeleça as penalizações, coimas ou castigos para os infractores. E depois, na aplicação da justiça, poderá utilizar algum processo idêntico àqueles que são proibidos ao comum dos mortais.
Por paradoxal que pareça, em muitos casos, acaba-se por aplicar um castigo quase igual ao crime praticado. Por exemplo, os Estados proíbem o rapto, sequestro ou detenção forçada de pessoas. Quem assim proceder, não se admire se lhe fizerem da mesma maneira, isto é, se o privarem da liberdade, mantendo-o numa prisão durante um certo tempo que, normalmente, será superior àquele em que ele aprisionou os outros!
O cidadão comum está proibido de praticar certos actos, mas o Estado, não! E quem diz o Estado, poderá também referir Deus, o Qual está acima e para além de todas as instituições! O Criador não tem de dar contas a ninguém! Os Estados ainda podem ser condenados a pagar alguma indemnização; o nosso Deus… nunca!
O assassinato é considerado um crime grave, proibido em todo o mundo, que exige sanções adequadas, conforme a legislação em vigor.
Os Estados que possuem a prisão perpétua ou pena de morte, irão, certamente, aplicar estas condenações máximas no caso de crimes graves, ou muito graves, onde se inclui o assassinato. Terão legitimidade para o fazer? E se fosse Deus, poderia aplicar uma sanção deste tipo?
Em situações humanas e terrenas poderá haver as mais diversas opiniões. Poder-se-á dizer que o juiz foi injusto ou que a lei está mal feita. No caso divino não devemos nem podemos pronunciar-nos. Admiro muito a frase de Betuel e Labão acerca de levarem Rebeca
para ser esposa de Isaque: “Do Senhor procedeu este negócio; não podemos falar-te mal ou bem” (Génesis 24:50).
Certamente que o Criador de todas as coisas e pessoas poderá decidir o que se deverá fazer nesta ou noutra situação. Os Estados possuem a legitimidade que lhes dão os povos, mas o Senhor é o Proprietário de tudo.
Os reis deste mundo poderão herdar os tronos dos seus antepassados e os presidentes e governantes serem eleitos por sufrágio
universal, mas Deus é o Senhor de tudo o que criou. Mais do que a herança de tronos ou legitimidade democrática, obtida nas urnas, é o poder, a glória e honra que pertencem ao Criador do Universo!
Deus mandou matar todos os midianitas (Números 31:7). Teria razões para isso? É uma questão de analisar o que eles fizeram e a responsabilidade pelas mortes que causaram. Se lermos o capítulo 25 de Números ficamos com uma ideia da calamidade que os midianitas provocaram. Diz o versículo 9 que, por causa deles, morreram 24 mil! Portanto, os midianitas não eram inocentes. Qualquer tribunal terreno tê-los-ia condenado.
Para além do crime havia o pecado de fazer tudo para levar Israel a pecar! Os midianitas sabiam que o pecado levava Israel à morte e destruição. Sim, o pecado leva-nos à perdição e condenação eterna.
Um outro assunto que devemos ter em conta é que Deus não disse, acerca dos midianitas, para os enganar, ludibriar e matar à traição. Eles foram mortos em campo de batalha. Os soldados que são enviados para a frente de combate não são criminosos, excepto se cometerem crimes de guerra. De igual modo, o carrasco que executa a condenação estabelecida em tribunal, legalmente constituído, não é nenhum criminoso!
Não podemos comparar aquilo que o Estado faz com aquilo que o homem comum não pode fazer. Não estamos em pé de igualdade com o Estado e muito menos com o Senhor Todo-Poderoso!
Assassinar uma pessoa é considerado crime pelo Estado, onde estamos inseridos e pecado pelo Senhor, Criador de todas as coisas e pessoas. Todos nós, seres humanos individuais, estamos proibidos de cometer tal acto. O mesmo não se aplica a Deus que poderá executar justiça em determinadas situações; inclusivamente, em relação aos assassinos.
A justiça terrena falha, é tardia e, por vezes, injusta. Quanto à justiça divina, podemos crer que ela não falha.
O Justo Juiz sabe tudo a nosso respeito e actua em conformidade. Não tenho dúvida alguma que, no caso de Jesus Cristo não ter pago os nossos erros e pecados na cruz do Calvário, todos nós seríamos condenados!
Para além de Santo e Justo, o nosso Deus é bom e amoroso. Ele tem um plano para nos salvar da condenação eterna através de Seu Filho.
Para evitarmos essa condenação é necessário concordar com o plano divino e aceitar Jesus como único e suficiente Salvador!

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Miguel Sousa 23.11.2011

    Caro José, no seguimento ao solicitado vou tentar ser o mais sucinto possível. José, existe um só Deus em três pessoas distintas: o Pai é Deus; o Filho é Deus; o Espírito Santo é Deus. Embora na Bíblia não haja a expressão "Santíssima Trindade", a doutrina cristã do Deus trino está evidente em várias passagens das Escrituras. No baptismo de Jesus, por exemplo, ouviu-se a voz do Pai: "Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo" (Marcos 1:11). João Batista disse: "Eu vi o Espírito descer do céu como pomba e permanecer sobre Ele" (sobre Jesus) (João 1:32). Aqui temos, portanto, a manifestação das três pessoas da Trindade. A Trindade, ou seja, as três pessoas subsistentes em um só Deus, constitui um dos maiores mistérios da Divindade. Não pode ser entendida nem explicada à luz da lógica humana. A infinitude de Deus não cabe na finitude do homem.
    Por mais que procure, jamais encontrará passagem alguma que refira que Jesus é Deus. Deixo-lhe, para sua análise e introspecção, o capitulo 14 do apóstolo João:
    “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
    Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
    E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.
    Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.
    Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?
    Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
    Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.
    Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.
    Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
    Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.
    Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras.
    Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.
    E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
    Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.
    Se me amais, guardai os meus mandamentos.
    E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;
    O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.
    Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.
    Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais, mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis.
    Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós.
    Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.
    Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo?
    Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.
    Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou.
    Tenho-vos dito isto, estando convosco.
    Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.
    Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.
    Ouvistes que eu vos disse: Vou, e venho para vós. Se me amásseis, certamente exultaríeis porque eu disse: Vou para o Pai; porque meu Pai é maior do que eu.
    Eu vo-lo disse agora antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
    Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim;
    Mas é para que o mundo saiba que eu amo o Pai, e que faço como o Pai me mandou. Levantai-vos, vamo-nos daqui.”
  • Sem imagem de perfil

    José Paulo 26.11.2011

    É Deus sempre superior a Jesus?

    JESUS nunca afirmou ser Deus. Tudo o que ele disse a respeito de si mesmo indica que ele não se considerava igual a Deus em nenhum sentido — em poder, em conhecimento, em idade.

    Em todo o período de sua existência, seja no céu, seja na terra, a sua fala e a sua con- duta refletem subordinação a Deus. Deus é sempre o superior, Jesus o menor, criado por Deus.

    Jesus É Distinto de Deus

    REPETIDAS vezes Jesus mostrou que ele era uma criatura à parte de Deus e que tinha um Deus acima de si, um Deus a quem adorava, um Deus a quem chamava de “Pai”. Em oração a Deus, isto é, o Pai, Jesus disse: “De ti, o único Deus verdadeiro.” (João 17:3) Em João 20:17 ele disse a Maria Madalena: “Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.” (Soares [So]) Em 2 Coríntios 1:3 o apóstolo Paulo confirma essa relação: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.” Visto que Jesus tinha um Deus, seu Pai, ele não podia ao mesmo tempo ser esse Deus.
    Detalhes Adicionais
    O apóstolo Paulo não tinha reservas quanto a falar de Jesus e de Deus como pessoas distintas uma da outra: “Para nós, contudo, existe um só Deus, o Pai . . . e um só Senhor, Jesus Cristo.” (1 Coríntios 8:6, BJ) O apóstolo mostra essa distinção ao usar a expressão “diante de Deus, de Cristo Jesus e dos anjos eleitos”. (1 Timóteo 5:21, BV) Assim como Paulo fala de Jesus e dos anjos como sendo distintos uns dos outros no céu, assim também o são Jesus e Deus.

    As palavras de Jesus em João 8:17, 18 também são significativas. Ele diz: “Na vossa própria Lei está escrito: ‘O testemunho de dois homens é verdadeiro.’ Eu sou um que dá testemunho de mim mesmo, e o Pai que me enviou dá testemunho de mim.” Jesus mostra aqui que ele e o Pai, isto é, o Deus Todo-poderoso, têm de ser duas pessoas distintas, pois, senão, como haveria realmente duas testemunhas?
    Jesus mostrou adicionalmente que ele era um ser à parte de Deus por dizer: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão só Deus.” (Marcos 10:18, BJ) Assim, Jesus dizia que ninguém é tão bom como Deus, nem o próprio Jesus. Deus é bom dum modo que o distingue de Jesus.

    Servo Submisso de Deus

    REPETIDAS vezes Jesus fez declarações assim: “Não pode o Filho fazer nada por si mesmo se não vir o Pai fazê-lo.” (João 5:19, Missionários Capuchinhos [MC]) “Desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.” (João 6:38) “O que eu ensino não é meu, mas pertence àquele que me enviou.” (João 7:16) Não é aquele que envia superior ao que é enviado?

    Essa relação fica clara na ilustração de Jesus a respeito de um vinhedo. Ele assemelhou Deus, seu Pai, ao dono do vinhedo, que viajou para o exterior e arrendou o vinhedo a lavradores, que representavam o clero judaico. Quando o dono do vinhedo mais tarde enviou um escravo para obter alguns frutos do vinhedo, os lavradores espancaram o escravo e o despacharam de mãos vazias. Daí o dono enviou outro escravo, e depois um terceiro, ambos os quais receberam o mesmo tratamento. Por fim, o dono disse: “Enviarei o meu filho [Jesus], o amado. É provável que respeitem a este.” Mas, os lavradores corruptos disseram: “‘Este é o herdeiro; matemo-lo, para que a herança se torne nossa. ’ Com isso lançaram-no fora do vinhedo e o mataram.” (Lucas 20:9-16) Jesus ilustrou assim a sua própria posição como alguém que fora enviado por Deus para fazer a vontade deste, assim como um pai envia um filho submisso.

    Os seguidores de Jesus sempre o encararam como servo submisso de Deus, não como igual a Deus. Eles oraram a Deus a respeito de “teu santo servo Jesus, a quem ungiste.. . para se operarem curas, milagres e prodígios em nome do teu santo servo Jesus”. — Atos 4:23, 27, 30, MC.

    Deus É Sempre Superior

    BEM no início do ministério de Jesus, quando este saiu da água batismal, a voz de Deus do céu disse: “Este é meu Filho, o amado, a quem tenho aprovado.” (Mateus 3:16, 17) Dizia Deus que ele mesmo era seu próprio filho, que ele aprovara a si mesmo, que enviara a si mesmo? Não, Deus, o Criador, dizia que, como superior, estava aprovando o inferior, seu Filho Jesus, para a obra à frente.

    Jesus indicou que seu Pai é superior a ele ao dizer: “O espírito de Jeová está sobre mim, porque me ungiu para declarar boas novas aos pobres.”
  • Sem imagem de perfil

    José Paulo 26.11.2011

    Jesus indicou que seu Pai é superior a ele ao dizer: “O espírito de Jeová está sobre mim, porque me ungiu para declarar boas novas aos pobres.” (Lucas 4:18) Ungir é o ato de conferir autoridade, ou uma incumbência, da parte de um superior a alguém que ainda não tenha tal autoridade. Aqui Deus é claramente o superior, pois ungiu a Jesus, dando-lhe autoridade que este não tinha antes.

    Jesus deixou clara a superioridade de seu Pai quando a mãe de dois discípulos lhe pediu que seus filhos se sentassem, um à direita de Jesus, e outro à sua esquerda, quando este fosse empossado no Reino. Jesus respondeu: “Sentar à minha direita e à minha esquerda, não cabe a mim concedê-lo; mas é para aqueles aos quais meu Pai o preparou”, isto é, Deus. (Mateus 20:23, BJ) Se Jesus fosse o Deus Todo-poderoso, seria de sua alçada conceder tais posições. Mas, Jesus não as podia conceder, pois isso cabia a Deus, e Jesus não era Deus.

    Jesus mostrou quem era seu superior, por orar: “Pai, se tu quiseres, remove de mim este copo. Não obstante, ocorra, não a minha vontade, mas a tua.” (Lucas 22:42) A quem orava ele? A uma parte de si mesmo? Não, ele orava a alguém inteiramente separado, seu Pai, Deus, cuja vontade era superior e poderia ser diferente da sua própria, sendo Ele o Único capaz de ‘remover este copo’.

    Daí, à beira da morte, Jesus clamou: “Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?” (Marcos 15:34, BJ) A quem clamava Jesus? A si mesmo, ou a uma parte de si mesmo? Certamente, o brado “Deus meu”, não partia de alguém que considerava a si mesmo como sendo Deus. E, se Jesus fosse Deus, então, por quem teria sido ele abandonado? Por si próprio? Isto não faria sentido. Jesus disse também: “Pai, às tuas mãos confio o meu espírito.” (Lucas 23:46) Se Jesus fosse Deus, por que razão devia ele confiar seu espírito ao Pai?

    Depois de morrer, Jesus ficou no túmulo por partes de três dias. Se ele fosse Deus, Habacuque 1:12 estaria errado ao dizer: “Ó meu Deus, meu Santo, tu não morres.” Mas a Bíblia diz que Jesus deveras morreu e ficou inconsciente no túmulo. E quem ressuscitou a Jesus? Se ele estivesse realmente morto, não poderia ressuscitar a si mesmo. Por outro lado, se não estivesse realmente morto, a sua pseudo morte não teria pago o preço de resgate pelo pecado de Adão. Mas, ele deveras pagou esse preço plenamente, por meio de sua morte real. Portanto, ‘Deus ressuscitou [a Jesus] por afrouxar as ânsias da morte’. (Atos 2:24) O superior, o Deus Todo-poderoso, levantou o menor, seu servo Jesus, da morte.

    Será que a capacidade de Jesus de realizar milagres, tais como ressuscitar pessoas, indica que ele era Deus? Ora, os apóstolos e os profetas Elias e Eliseu também tinham esse poder, mas isso não fazia com que fossem mais do que homens.

    Deus deu o poder de realizar milagres aos profetas, a Jesus e aos apóstolos, a fim de mostrar que Ele os apoiava. Mas isso não tornou nenhum deles parte duma Divindade pluralizada.

    O Conhecimento de Jesus Era Limitado

    AO PROFERIR a sua profecia a respeito do fim deste sistema de coisas, Jesus declarou: “Quanto ao dia e à hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu nem o Filho, mas somente o Pai.” (Marcos 13:32, BV) Tivesse Jesus sido a parte igual do Filho numa Divindade, teria sabido o que o Pai sabia. Mas Jesus não sabia, pois não era igual a Deus.

    Similarmente, em Hebreus 5:8 lemos que Jesus “aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu”. Podemos imaginar Deus precisar aprender algo? Não, mas Jesus precisava, pois ele não sabia tudo o que Deus sabia. E ele tinha de aprender algo que Deus jamais precisaria aprender — a obediência. Deus jamais precisa obedecer a alguém.

    Uma diferença entre o que Deus sabe e o que Cristo sabe também existia quando Jesus foi ressuscitado para o céu a fim de estar com Deus. Note as primeiras palavras no último livro da Bíblia: “Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu.” (Revelação [Apocalipse] 1:1, MC) Se o próprio Jesus fosse parte duma Divindade, teria sido necessário dar-lhe uma revelação oriunda de outra parte da Divindade — Deus? Por certo ele teria sabido tudo a respeito dessa revelação, pois Deus sabia. Mas Jesus não sabia, pois não era Deus.

    Jesus Continua Subordinado

    NA SUA existência pré-humana, e também quando esteve na terra, Jesus estava
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.