Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Exmos. srs. Jorge, José, Victor e espíritas em geral:

Esta resposta foi dada directamente ao sr. Jorge Luís, mas gostaria de convidar todos os visitantes deste blog a lerem e reflectirem!

 

Olá Jorge Luís!
Esquadrinhe melhor... quanto aos textos que me enviou ontem, estou a preparar um post que demonstra não haver contradições nos textos (sobre o Novo Testamento, os comentários sobre o Velho estão respondidos só tem que procurar melhor) porque os Evangelistas retratam os eventos da forma que foram inspirados por Deus. Não faria qualquer sentido se os quatro escrevessema mesma coisa. Essa é mais uma prova de que a Bíblia é a Palavra de Deus.
Deixo-lhe, enquanto preparo uma resposta mais detalhada ao seu comentário, algo para você (vocês) reflectir:
 

"Verdade ou mentira, certo ou errado, o Cristianismo tem, como também muitas outras religiões, a sua Escritura Sagrada, a saber, a Bíblia.

Jesus, o fundador do Cristianismo, autenticou todo o Antigo Testamento (Mt. 4: 4-10; 24:37-39; Mc. 12:24; Lc. 24: 25-27; Jo. 5:39, etc.). E, quanto ao Novo Testamento, os apóstolos e outros hagiógrafos que o compuseram não esconderam de seus leitores que exaravam sob inspiração Divina (1Co 14:37; 1Tm. 5:18; 2Pe 3:15-16; Ap 1:11, etc.).

Mas o Kardecismo, embora também se professe cristão, afirma com todas as letras que a Bíblia não é a Palavra de Deus. Sim, o Kardecismo nega a Bíblia.
Mas, porque será que muitos pensam que os kardecistas também crêem na Bíblia?
A resposta é:

Para que o dito fique pelo não dito, Allan Kardec às vezes fingia que também tinha grande apreço pela Bíblia; e que, portanto, se identificava connosco, comungando das mesmas crenças. E, assim, propositalmente ensina os Kardecistas a forjarem a mesma ambigüidade para, deste modo, não espantarem a presa.

Justificando o fingimento Kardec ensina: “...Se alguém tem uma convicção bem firmada sobre uma doutrina, ainda que falsa, necessário é lhe tiremos essa convicção, mas pouco a pouco. Por isso é que muitas vezes nos servimos de seus termos e aparentamos abundar nas suas idéias: é para que não fique de súbito ofuscado e não deixe de se instruir connosco. “Aliás, não é de bom aviso atacar bruscamente os preconceitos...” . (O Livro dos Médiuns. Federação Espírita Brasileira: 58ª edição, capítulo XXVII, número 301, página 392).

 

O Kardecismo revela-se incoerente quando tenta provar que é cristão. Aliás, não só incoerente, mas também é diabólicamente hipócrita, o que se pode deduzir facilmente das transcrições acima. Como vimos acima, Allan Kardec disse que acreditava e que não há como se duvidar do que está escrito em Jo. 16: 7-14.
Vejam os leitores, que confusão dos Infernos: negam a Bíblia, afirmando no entanto que são cristãos, o que é uma incoerência; e, como se essa mentira não bastasse, citam um texto bíblico e observam que o mesmo é incontestável.

Não há como dormir com um barulho desses. Afinal, a Bíblia é ou não é confiável?

E, como vimos, essa barafunda tem um alvo bem definido: fazer com que o dito fique pelo não dito para, deste modo, não espantar a presa. É bonito isso?

 

Espertinho, não? Até parece que os fins realmente justificam os meios.

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.