Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

A Palavra como Meio da Graça _ Introdução

Ao contrário do que afirmam as seitas que usaram e deturparam a Bíblia, ela é a Palavra de Deus Viva e Verdadeira!

Olhando para a Bíblia, poderá parecer que há incoerência entre alguns textos. Porém, numa observação mais detalhada, sob a direcção do Espírito Santo, acabamos por verificar que está tudo correcto.

Em contrapartida, outros textos noutros livros, onde à primeira vista parece estar tudo em conformidade, acabam por não resistir a uma análise profunda!

A Bíblia é o Livro de Deus que menciona unicamente a verdade, sem quaisquer camuflagens, contradições ou deturpações.

Ao contrário do que se nota em muitos livros, artigos e textos diversos, os escritores das Sagradas Escrituras, não tiveram a preocupação de proceder a ajustamentos, a fim de dar uma ideia de fidedignidade. Simplesmente, escreveram a verdade, inspirados por Deus, sem se preocuparem com aquilo que os outros já tinham escrito ou iriam escrever depois.

A Palavra de Deus quando recebida por nós com humildade e fé é um meio de Graça, Salvação, Santificação, Edificação, uma fonte de conhecimento e benção constante!

 

A Palavra como Meio da Graça

Leitura:

At 20. 28 Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.
29 Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entraräo no meio de vós lobos cruéis, que näo pouparäo ao rebanho;
30 E que de entre vós mesmos se levantaräo homens que falaräo coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.
31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, näo cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.
32 Agora, pois, irmäos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados.

Introdução:

Meios da Graça são “canais divinamente designados por Deus através dos quais as influências do Espírito Santo são comunicadas à alma humana” (Wiley).

Estes meios são usados primordialmente na comunhão da igreja.

A vida cristã começa pela graça, pela actividade do soberano Espírito de Deus, e deve ser continuada da mesma maneira (1Pe 5.12).

Mas também existe alguma actividade da parte do crente, que tem algo a desenvolver (Ef 2.10; Fp 2.12-13).

Além disso, os crentes são instruídos a crescerem “na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo” (2 Pe 3.18).

Estes meios da graça são coisas específicas que o gracioso e amável Deus do céu concedeu aos crentes para ajudá-los a desenvolverem sua salvação, fazerem as boas obras que Ele determinou e a crescerem na graça.

Embora a expressão “meios da graça” não se encontre na Bíblia, é uma designação adequada para aquilo que está ali ensinado.

 

Há dois tipos de meios da graça: os particulares (palavra, oração) e os públicos (adoração, Ceia do Senhor, baptismo).

Enquanto algumas doutrinas humanas enxergam estes meios como “meios de salvação”, os evangélicos os vêem como sendo apenas meios de alcançar as bênçãos de Deus, pois a salvação é garantida pela obra de Cristo.

Destaca-se que, em si mesmos, estes meios da graça são completamente ineficientes e só produzem resultados espirituais positivos mediante a eficaz operação do Espírito Santo.

O meio da graça mais básico é a Bíblia, a Palavra de Deus.

A sua eficácia de comunicar a graça de Deus depende exclusivamente de que ela seja um instrumento do Espírito Santo.

O livro em si mesmo não tem poder, seu poder deriva do Seu Autor e Aplicador, Deus.

 

 

No post seguinte:

A Bíblia, meio de salvação