Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

O Maior Racista que já Houve na História - Ele e os seus espíritos [demónios]

 

"E OS SEUS ESPÍRITOS TAMBÉM Não só um dos maiores racistas do mundo, mas também os espíritos que ele "entrevistou"Como as primeiras coisas que espíritas pedem é fonte e contexto, lá vi um texto integral, que talvez seja o texto mais racista da história da humanidade, comparada apenas com o texto de Willian Botha, presidente da Africa do Sul no regime do Apartheidhttp://www.sistemas.febnet.org.br/gerenciador/pdfRepository/2009-11-20-30.45f1619bf43ffc6b3c4e21170fd9bdf4.pdfEsse PDF é do Kardec, publicado na Revista Espírita, em 1862MAS OS ESPÍRITOS que Kardec diz ter entrevistado (casualmente compartilhavam com ele da mesma ideologia) não deixam por menos.Mas não é só esse texto. Kardec NÃO DEIXA DÚVIDAS do seu racismo. Por exemplo, na TEORIA DO BELO, que diz algo como:“O negro pode ser belo para o negro, como um gato para os gatos; mas não o é no sentido absoluto, porque os seus traços grosseiros, os lábios grossos, acusam a materialidade dos instintos; podem perfeitamente exprimir as paixões violentas, mas nunca as delicadas variedades do sentimento e as modulações de um Espírito elevado. Eis porque podemos (…) julgar-nos mais belos que o negro…”Esse trecho você pode ler não em um site ceticista, mas no próprio portal de literatura espíritahttp://www.centroespirita.com.br/literatura/obraspostumas/pagina009_02_03.asp"MAS OS ESPÍRITOS NÃO SÃO RACISTAS"Mas os espíritos mais evoluídos, "portadores de luz" também pensam com extremo racismo, sugerindo não batizar o negro, porque não se sabe se é gente ou não. Quer ver?Livro dos Espíritos, questão 222, subitem 6:Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomardes uma criança hotentote recém nascida e a educardes nas escolas mais renomadas, fareis dela algum dia um Laplace ou um Newton?Em relação à sexta questão, sem dúvida se dirá que o hotentote é de uma raça inferior. Então perguntaremos se o hotentote é ou não um homem. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdados de privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, por que procurar fazê-lo cristão?"No desespero delirante, espíritas ainda querem defender Kardec por causa da palavra Dir-se-a (ou "se dirá") aqui. Essas seriam coisas que as pessoas dizem, mas não ele. Mas mesmo assim, o Livro dos Espíritos CONCORDA com a afirmação."FORA DE CONTEXTO" Se fosse fora de contexto, seria uma passagem pinçada. Mas não os Espíritos mais iluminados preenchem o Livro dos Espíritos a todo momento com racismos. Querem ver?"273. Será possível que um homem de raça civilizada reencarne, por exemplo, numa raça de selvagens? “É; mas depende do gênero da expiação. Um senhor, que tenha sido de grande crueldade para os seus escravos, poderá, por sua vez, tornar-se escravo e sofrer os maus tratos que infligiu a seus semelhantes. Um, que em certa época exerceu o mando, pode, em nova existência, ter que obedecer aos que se curvaram ante a sua vontade. Ser-lhe-á isso uma expiação, que Deus lhe imponha, se ele abusou do seu poder. Também um bom Espírito pode querer encarnar no seio daquelas raças, ocupando posição influente, para fazê-las progredir. Em tal caso, desempenha uma missão.”Mas os espíritos "entrevistados por Kardec" insistem teimosamente em concordar com o racismo de Kardec e a toda hora mostram suas garras:"689. Os homens atuais formam uma criação nova, ou são descendentes aperfeiçoados dos seres primitivos? “São os mesmos Espíritos que voltaram, para se aperfeiçoar em novos corpos, mas que ainda estão longe da perfeição. Assim, a atual raça humana, que, pelo seu crescimento, tende a invadir toda a Terra e a substituir as raças que se extinguem, terá sua fase de crescimento e de desaparição. Substitui-la-ão outras raças mais aperfeiçoadas, que descenderão da atual, como os homens civilizados de hoje descendem dos seres brutos e selvagens dos tempos primitivos.”Agora os espíritos falam como devem ser mantidos os escravos. O Branco deve cuidar bem de um escravo, para que tenha um melhor valor no mercado, como um cavalo:"831. A desigualdade natural das aptidões não coloca certas raças humanas sob a dependência das raças mais inteligentes? “Sim, mas para que estas as elevem, não para embrutecê-las ainda mais pela escravização. Durante longo tempo, os homens consideram certas raças humanas como animais de trabalho, munidos de braços e mãos, e se julgaram com o direito de vender os dessas raças como bestas de carga. Consideram-se de sangue mais puro os que assim procedem. Insensatos! Nada vêem senão a matéria. Mais ou menos puro não é o sangue, porém o Espírito.”832. Há, no entanto, homens que tratam seus escravos com humanidade; que não deixam lhes falte nada e acreditam que a liberdade os exporia a maiores privações. Que dizeis disso? “Digo que esses compreendem melhor os seus interesses. Igual cuidado dispensam aos seus bois e cavalos, para que obtenham bom preço no mercado. Não são tão culpados como os que maltratam os escravos, mas, nem por isso deixam de dispor deles como de uma mercadoria, privando-os do direito de se pertencerem a si mesmos.”  EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMOSe vocês achavam que era só Kardec e os espíritos "entrevistados" para o Livro dos Espíritos, errou. Tem mais racismo com os espíritos de Kardec por todos os lados, onde quer que procure, de um modo claro e transparenteMundos inferiores e mundos superiores8. A qualificação de mundos inferiores e mundos superiores nada tem de absoluta; é, antes, muito relativa. Tal mundo é inferior ou superior com referência aos que lhe estão acima ou abaixo, na escala progressiva. Tomada a Terra por termo de comparação, pode-se fazer idéia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes na condição das raças selvagens ou das nações bárbaras que ainda entre nós se encontram, restos do estado primitivo do nosso orbe. Nos mais atrasados, são de certo modo rudimentares os seres que os habitam. Revestem a forma humana, mas sem nenhuma beleza. Seus instintos não têm a abrandá-los qualquer sentimento de delicadeza ou de benevolência, nem as noções do justo e do injusto. A força bruta é, entre eles, a única lei. Carentes de indústrias e de invenções, passam a vida na conquista de alimentos. Deus, entretanto, a nenhuma de suas criaturas abandona; no fundo das trevas da inteligência jaz, latente, a vaga intuição, mais ou menos desenvolvida, de um Ente supremo. Esse instinto basta para torná-los superiores uns aos outros e para lhes preparar a ascensão a uma vida mais completa, porquanto eles não são seres degradados, mas crianças que estão a crescer. Entre os degraus inferiores e os mais elevados, inúmeros outros há, e difícil é reconhecer-se nos Espíritos puros, desmaterializados e resplandecentes de glória, os que foram esses seres primitivos, do mesmo modo que no homem adulto se custa a reconhecer o embrião.O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 3 - Há muitas moradas na casa de meu Pai.Mundos de expiações e de provas13. Que vos direi dos mundos de expiações que já não saibais, pois basta observeis o em que habitais? A superioridade da inteligência, em grande número dos seus habitantes, indica que a Terra não é um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador. As qualidades inatas que eles trazem consigo constituem a prova de que já viveram e realizaram certo progresso. Mas, também, os numerosos vícios a que se mostram propensos constituem o índice de grande imperfeição moral. Por isso os colocou Deus num mundo ingrato, para expiarem aí suas faltas, mediante penoso trabalho e misérias da vida, até que hajam merecido ascender a um planeta mais ditoso.14. Entretanto, nem todos os Espíritos que encarnam na Terra vão para aí em expiação. As raças a que chamais selvagens são formadas de Espíritos que apenas saíram da infância e que na Terra se acham, por assim dizer, em curso de educação, para se desenvolverem pelo contacto com Espíritos mais adiantados. Vêm depois as raças semicivilizadas, constituídas desses mesmos os Espíritos em via de progresso. São elas, de certo modo, raças indígenas da Terra, que aí se elevaram pouco a pouco em longos períodos seculares, algumas das quais hão podido chegar ao aperfeiçoamento intelectual dos povos mais esclarecidos. Os Espíritos em expiação, se nos podemos exprimir dessa forma, são exóticos, na Terra; já tiveram noutros mundos, donde foram excluídos em conseqüência da sua obstinação no mal e por se haverem constituído, em tais mundos, causa de perturbação para os bons. Tiveram de ser degradados, por algum tempo, para o meio de Espíritos mais atrasados, com a missão de fazer que estes últimos avançassem, pois que levam consigo inteligências desenvolvidas e o gérmen dos conhecimentos que adquiriram. Daí vem que os Espíritos em punição se encontram no seio das raças mais inteligentes. Por isso mesmo, para essas raças é que de mais amargor se revestem OS infortúnios da vida. E que há nelas mais sensibilidade, sendo, portanto, mais provadas pelas contrariedades e desgostos do que as raças primitivas, cujo senso moral se acha mais embotado.O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 3 - Há muitas moradas na casa de meu Pai.19. A união e a afeição que existem entre pessoas parentes são um índice da simpatia anterior que as aproximou, Daí vem que, falando-se de alguém cujo caráter, gostos e pendores nenhuma semelhança apresentam com os dos seus parentes mais próximos, se costuma dizer que ela não é da família. Dizendo-se isso, enuncia-se uma verdade mais profunda do que se supõe. Deus permite que, nas famílias, ocorram essas encarnações de Espíritos antipáticos ou estranhos, com o duplo objetivo de servir de prova para uns e, para outros, de meio de progresso. Assim, os maus se melhoram pouco a pouco, ao contacto dos bons e por efeito dos cuidados que se lhes dispensam. O caráter deles se abranda, seus costumes se apuram, as antipatizas se esvaem. E desse modo que se opera a fusão das diferentes categorias de Espíritos, como se dá na Terra com as raças e os povos.O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 4 - Nascer de Novo.A GÊNESEAcabou então? Agora sim, não restam mais dúvidas?Qualquer pessoa sensata já se deu conta de como pensam os espíritos em relação às "raças selvagens", que são os negros. É uma pena que biologicamente o ser humano não tenha raças, mas enfim, naquela época os espíritos não sabiam disso.Mas tem mais, eu ainda não parei. vamos ver o que diz A GÊNESE em relação aos negros:No livro A Gênese, consta que os negros e os indígenas não descendem da Raça AdâmicaRaça adâmica38. - De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou, se quiserem, uma dessas colônias de Espíritos, vinda de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada raça adâmica. Quando ela aqui chegou, a Terra já estava povoada desde tempos imemoriais, como a América, quando aí chegaram os europeus. Mais adiantada do que as que a tinham precedido neste planeta, a raça adâmica é, com efeito, a mais inteligente, a que impele ao progresso todas as outras. A Gênese no-la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e às ciências, sem haver passado aqui pela infância espiritual, o que não se dá com as raças primitivas, mas concorda com a opinião de que ela se compunha de Espíritos que já tinham progredido bastante. Tudo prova que a raça adâmica não é antiga na Terra e nada se opõe a que seja considerada como habitando este globo desde apenas alguns milhares de anos, o que não estaria em contradição nem com os fatos geológicos, nem com as observações antropológicas, antes tenderia a confirmá-las.39. - No estado atual dos conhecimentos, não é admissível a doutrina segundo a qual todo o gênero humano procede de uma individualidade única, de há seis mil anos somente a esta parte. Tomadas à ordem física e à ordem moral, as considerações que a contradizem se resumem no seguinte:Do ponto de vista fisiológico, algumas raças apresentam característicos tipos particulares, que não permitem se lhes assinale uma origem comum. Diferenças que evidentemente não são simples efeito do clima, pois que os brancos que se reproduzem nos países dos negros não se tornam negros e reciprocamente. O ardor do Sol tosta e brune a epiderme, porém nunca transformou um branco em negro, nem lhe achatou o nariz, ou mudou a forma dos traços da fisionomia, nem lhe tornou lanzudo e encarapinhado o cabelo comprido e sedoso. Sabe-se hoje que a cor do negro provém de um tecido especial subcutâneo, peculiar à espécie. Há-se, pois, de considerar as raças negras, mongólicas, caucásicas como tendo origem própria, como tendo nascido simultânea ou sucessivamente em diversas partes do globo. O cruzamento delas produziu as raças mistas secundárias. Os caracteres fisiológicos das raças primitivas constituem indício evidente de que elas procedem de tipos especiais. As mesmas considerações aplicam, conseguintemente, assim aos homens, quanto aos animais, no que concerne à pluralidade dos troncos.40. - Adão e seus descendentes são apresentados na Gênese como homens sobremaneira inteligentes, pois que, desde a segunda geração, constroem cidades, cultivam a terra, trabalham os metais. São rápidos e duradouros seus progressos nas artes e nas ciências. Não se conceberia, portanto, que esse tronco tenha tido, como ramos, numerosos povos tão atrasados, de inteligência tão rudimentar, que ainda em nossos dias rastejam a animalidade, que hajam perdido todos os traços e, até, a menor lembrança do que faziam seus pais. Tão radical diferença nas aptidões intelectuais e no desenvolvimento moral atesta, com evidência não menor, uma diferença de origem."Casualmente, os espíritos sempre refletem a ideologia da pessoa que entrevistou esses espíritos ou de seus médiuns. Nunca se viu um espírito refutar o seu médium.Que Kardec seja um dos maiores racistas do mundo, já não há dúvidas. O problema para os Kardecistas é que os espíritos também estão forrados desse racismo.Ou os espíritos Kardecistas são racistas, ou então essa produção literária básica do espiritismo é totalmente uma fraude e foi simplesmente Kardec que falou pela boca desses espíritos, minando tudo de racismo."
 
 
Kardec e os seus espíritos podem contar-se entre os maiores racistas do mundo.
 
Para demonstrar esta realidade, começo por dar aos espíritas a primeira coisa que eles pedem: a fonte e o contexto. Aqui está um texto integral, que talvez seja o mais racista da história da humanidade, comparado apenas com o texto de Willian Botha, presidente da África do Sul no regime do Apartheid.
 

http://www.sistemas.febnet.org.br/…/2009-11-20-30.45f1619bf…

Esse PDF é de Allan Kardec, publicado na Revista Espírita, em 1862

Os espíritos [demónios] que Kardec diz ter entrevistado por casualidade, ou talvez não, compartilhavam esta ideologia de ódio com ele. Mas, não existe só esse texto. Kardec nunca deixou dúvidas acerca do seu racismo. Por exemplo, na "Teoria do Belo" o racista francês diz algo como isto:

 

“O negro pode ser belo para o negro, como um gato para os gatos; mas não o é no sentido absoluto, porque os seus traços grosseiros, os lábios grossos, acusam a materialidade dos instintos; podem perfeitamente exprimir as paixões violentas, mas nunca as delicadas variedades do sentimento e as modulações de um Espírito elevado. Eis porque podemos (…) julgar-nos mais belos que o negro…”

 

Ok! Antes que me acusem de usar um texto publicado num site de anti-espírita, podem ler esta aberração de ideologia racista no próprio portal de literatura espírita: http://www.centroespirita.com.br/…/obra…/pagina009_02_03.asp

 

Incrivelmente, aqueles que Kardec menciona como os espíritos mais evoluídos "portadores de luz" [apesar de fazerem acepção de pessoas], são racistas ao extremo, chegando a sugerir que não se deve baptizar o negro, porque não se sabe se ele é gente ou não. Engraçado, este "espírito" [demónio] que falou com Kardec, deve ser o mesmo que falou com Joseph Smith, criador da doutrina Mórmon, que dizia exactamente a mesma coisa. Vejamos o que diz o tal "espírito-perfeito-portador -de-luz":

 

Livro dos Espíritos, questão 222, subitem 6:

 

"Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomardes uma criança hotentote recém nascida e a educardes nas escolas mais renomadas, fareis dela algum dia um Laplace ou um Newton?

Em relação à sexta questão, sem dúvida se dirá que o hotentote é de uma raça inferior. Então perguntaremos se o hotentote é ou não um homem. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdados de privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, por que procurar fazê-lo cristão?"

 

Numa cegueira delirante, os espíritas continuam a defender Kardec e lançam mão da palavra "Dir-se-á" para tentar manipular o texto e levá-lo a dizer algo que não diz, tipo: Essas seriam coisas que as pessoas dizem, mas não ele. O problema cresce porque, mesmo que isso fosse verdade, o Livro dos Espíritos concorda com a afirmação.

E, não venham dizer que isto está fora do contexto!
Se estivesse fora de contexto, seria uma passagem pinçada. Mas não é assim.  Os Espíritos mais iluminados preenchem o Livro dos Espíritos com ensinos profundamente racistas como estes:

 

 

"273. Será possível que um homem de raça civilizada reencarne, por exemplo, numa raça de selvagens?

“É; mas depende do gênero da expiação. Um senhor, que tenha sido de grande crueldade para os seus escravos, poderá, por sua vez, tornar-se escravo e sofrer os maus tratos que infligiu a seus semelhantes. Um, que em certa época exerceu o mando, pode, em nova existência, ter que obedecer aos que se curvaram ante a sua vontade. Ser-lhe-á isso uma expiação, que Deus lhe imponha, se ele abusou do seu poder. Também um bom Espírito pode querer encarnar no seio daquelas raças, ocupando posição influente, para fazê-las progredir. Em tal caso, desempenha uma missão.”

 

 

Mas... ó espíritos mentirosos, ó doutrina dos infernos que a cada passo se contradiz!! Deus impõe castigos a alguém? Então, não foram os mesmos espíritos que disseram:

 

Quesito 814. Por que Deus concedeu a uns a riqueza e o poder e a outros, a miséria?

O espírito responde: — Para provar a cada um de uma maneira diferente. Aliás, vós o sabeis essas provas são escolhidas pelos próprios Espíritos, que muitas vezes sucumbem ao realizá-las."

 

Além disso, de que adiantaria "um bom Espírito querer encarnar no seio daquelas raças, ocupando posição influente, para fazê-las progredir" se, segundo os espíritos racistas, o negro só pode aperfeiçoar-se quando estiver a habitar num corpo branco? Depois de morrer???

Os espíritos "entrevistados por Kardec", insistem teimosamente em concordar com o racismo de Kardec e continuam a dar largas ao seu racismo:

 

"689. Os homens atuais formam uma criação nova, ou são descendentes aperfeiçoados dos seres primitivos (entenda-se por negros)?

“São os mesmos Espíritos que voltaram, para se aperfeiçoar em novos corpos, mas que ainda estão longe da perfeição. Assim, a atual raça humana, que, pelo seu crescimento, tende a invadir toda a Terra e a substituir as raças que se extinguem, terá sua fase de crescimento e de desaparição. Substitui-la-ão outras raças mais aperfeiçoadas, que descenderão da atual, como os homens civilizados de hoje descendem dos seres brutos e selvagens dos tempos primitivos.”

 

Wath?? Os negros, apesar das muitas perseguições, pela graça e misericórdia de Deus, nunca se extinguiram nem se vão extinguir! Isto é um apelo à extinção dos negros que os espíritos racistas consideram uma raça inferior!! Isto é apologética racista. Há brancos mais brutos, burros e selvagens do que qualquer negro.

Sabem como é que os espíritos acham que se deviam manter os escravos?  Parece que os brancos deviam cuidar bem de um escravo, para que o seu valor no mercado aumentasse:

 

"831. A desigualdade natural das aptidões não coloca certas raças humanas sob a dependência das raças mais inteligentes?

“Sim, mas para que estas as elevem, não para embrutecê-las ainda mais pela escravização. Durante longo tempo, os homens consideram certas raças humanas como animais de trabalho, munidos de braços e mãos, e se julgaram com o direito de vender os dessas raças como bestas de carga. Consideram-se de sangue mais puro os que assim procedem. Insensatos! Nada vêem senão a matéria. Mais ou menos puro não é o sangue, porém o Espírito.”

 

O problema é que o corpo sem o espírito, ou o espírito sem o corpo, não é um ser humano. Logo, o racismo é sempre cometido contra pessoas completas: corpo, alma e espírito!

 

832. Há, no entanto, homens que tratam seus escravos com humanidade; que não deixam lhes falte nada e acreditam que a liberdade os exporia a maiores privações. Que dizeis disso?

Digo que esses compreendem melhor os seus interesses. Igual cuidado dispensam aos seus bois e cavalos, para que obtenham bom preço no mercado. Não são tão culpados como os que maltratam os escravos, mas, nem por isso deixam de dispor deles como de uma mercadoria, privando-os do direito de se pertencerem a si mesmos.”

 

Mas, não pensem que só Kardec e os espíritos "entrevistados" para o Livro dos Espíritos disseram barbaridades como estas. Não! O evangelho segundo o espiritismo também está cheio daquilo que enchia o coração de Kardec: racismo. Vejamos:

 

Mundos inferiores e mundos superiores

 

8. A qualificação de mundos inferiores e mundos superiores nada tem de absoluta; é, antes, muito relativa. Tal mundo é inferior ou superior com referência aos que lhe estão acima ou abaixo, na escala progressiva. Tomada a Terra por termo de comparação, pode-se fazer idéia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes na condição das raças selvagens ou das nações bárbaras que ainda entre nós se encontram, restos do estado primitivo do nosso orbe. Nos mais atrasados, são de certo modo rudimentares os seres que os habitam. Revestem a forma humana, mas sem nenhuma beleza. Seus instintos não têm a abrandá-los qualquer sentimento de delicadeza ou de benevolência, nem as noções do justo e do injusto. A força bruta é, entre eles, a única lei. Carentes de indústrias e de invenções, passam a vida na conquista de alimentos. Deus, entretanto, a nenhuma de suas criaturas abandona; no fundo das trevas da inteligência jaz, latente, a vaga intuição, mais ou menos desenvolvida, de um Ente supremo. Esse instinto basta para torná-los superiores uns aos outros e para lhes preparar a ascensão a uma vida mais completa, porquanto eles não são seres degradados, mas crianças que estão a crescer. Entre os degraus inferiores e os mais elevados, inúmeros outros há, e difícil é reconhecer-se nos Espíritos puros, desmaterializados e resplandecentes de glória, os que foram esses seres primitivos, do mesmo modo que no homem adulto se custa a reconhecer o embrião.

O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 3 - Há muitas moradas na casa de meu Pai.

 

Mundos de expiações e de provas

13. Que vos direi dos mundos de expiações que já não saibais, pois basta observeis o em que habitais? A superioridade da inteligência, em grande número dos seus habitantes, indica que a Terra não é um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador. As qualidades inatas que eles trazem consigo constituem a prova de que já viveram e realizaram certo progresso. Mas, também, os numerosos vícios a que se mostram propensos constituem o índice de grande imperfeição moral. Por isso os colocou Deus num mundo ingrato, para expiarem aí suas faltas, mediante penoso trabalho e misérias da vida, até que hajam merecido ascender a um planeta mais ditoso.

 

14. Entretanto, nem todos os Espíritos que encarnam na Terra vão para aí em expiação. As raças a que chamais selvagens [negros] são formadas de Espíritos que apenas saíram da infância e que na Terra se acham, por assim dizer, em curso de educação, para se desenvolverem pelo contacto com Espíritos mais adiantados. Vêm depois as raças semicivilizadas, constituídas desses mesmos os Espíritos em via de progresso. São elas, de certo modo, raças indígenas da Terra, que aí se elevaram pouco a pouco em longos períodos seculares, algumas das quais hão podido chegar ao aperfeiçoamento intelectual dos povos mais esclarecidos. Os Espíritos em expiação, se nos podemos exprimir dessa forma, são exóticos, na Terra; já tiveram noutros mundos, donde foram excluídos em conseqüência da sua obstinação no mal e por se haverem constituído, em tais mundos, causa de perturbação para os bons. Tiveram de ser degradados, por algum tempo, para o meio de Espíritos mais atrasados, com a missão de fazer que estes últimos avançassem, pois que levam consigo inteligências desenvolvidas e o gérmen dos conhecimentos que adquiriram. Daí vem que os Espíritos em punição se encontram no seio das raças mais inteligentes. Por isso mesmo, para essas raças é que de mais amargor se revestem OS infortúnios da vida. E que há nelas mais sensibilidade, sendo, portanto, mais provadas pelas contrariedades e desgostos do que as raças primitivas, cujo senso moral se acha mais embotado.

O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 3 - Há muitas moradas na casa de meu Pai.

 

 Já percebeu como pensam os espíritos em relação às "raças selvagens" [negros]? É uma pena que biologicamente, à luz da verdadeira ciência, o ser humano não tenha raças, mas enfim, naquela época os espíritos não sabiam disso. Prossigamos então:

No livro "A Gênese", consta que os negros e os indígenas não descendem da Raça Adâmica

 

Raça adâmica

38. - De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou, se quiserem, uma dessas colônias de Espíritos, vinda de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada raça adâmica. Quando ela aqui chegou, a Terra já estava povoada desde tempos imemoriais, como a América, quando aí chegaram os europeus. Mais adiantada do que as que a tinham precedido neste planeta, a raça adâmica é, com efeito, a mais inteligente, a que impele ao progresso todas as outras. A Gênese no-la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e às ciências, sem haver passado aqui pela infância espiritual, o que não se dá com as raças primitivas [negros], mas concorda com a opinião de que ela se compunha de Espíritos que já tinham progredido bastante. Tudo prova que a raça adâmica não é antiga na Terra e nada se opõe a que seja considerada como habitando este globo desde apenas alguns milhares de anos, o que não estaria em contradição nem com os fatos geológicos, nem com as observações antropológicas, antes tenderia a confirmá-las.

 

39. - No estado atual dos conhecimentos, não é admissível a doutrina segundo a qual todo o gênero humano procede de uma individualidade única, de há seis mil anos somente a esta parte. Tomadas à ordem física e à ordem moral, as considerações que a contradizem se resumem no seguinte:
Do ponto de vista fisiológico, algumas raças apresentam característicos tipos particulares, que não permitem se lhes assinale uma origem comum. Diferenças que evidentemente não são simples efeito do clima, pois que os brancos que se reproduzem nos países dos negros não se tornam negros e reciprocamente. O ardor do Sol tosta e brune a epiderme, porém nunca transformou um branco em negro, nem lhe achatou o nariz, ou mudou a forma dos traços da fisionomia, nem lhe tornou lanzudo e encarapinhado o cabelo comprido e sedoso. Sabe-se hoje que a cor do negro provém de um tecido especial subcutâneo, peculiar à espécie [inferior]. Há-se, pois, de considerar as raças negras, mongólicas, caucásicas como tendo origem própria, como tendo nascido simultânea ou sucessivamente em diversas partes do globo. O cruzamento delas produziu as raças mistas secundárias. Os caracteres fisiológicos das raças primitivas constituem indício evidente de que elas procedem de tipos especiais. As mesmas considerações aplicam, conseguintemente, assim aos homens, quanto aos animais, no que concerne à pluralidade dos troncos.

 

40. - Adão e seus descendentes são apresentados na Gênese como homens sobremaneira inteligentes, pois que, desde a segunda geração, constroem cidades, cultivam a terra, trabalham os metais. São rápidos e duradouros seus progressos nas artes e nas ciências. Não se conceberia, portanto, que esse tronco tenha tido, como ramos, numerosos povos tão atrasados, de inteligência tão rudimentar, que ainda em nossos dias rastejam a animalidade, que hajam perdido todos os traços e, até, a menor lembrança do que faziam seus pais. Tão radical diferença nas aptidões intelectuais e no desenvolvimento moral atesta, com evidência não menor, uma diferença de origem."

 

Será um acaso o facto de que os espíritos reflitam sempre a ideologia da pessoa que os entrevistou ou dos seus médiuns? Porque é que nenhum um espírito refuta o seu médium.

Aqui chegados, não há duvidas de que Kardec e os seus espíritos [demónios] são profundamente racistas e não têm em si mesmo luz alguma, apenas trevas! Aliás, trevas e presunção de serem melhores do que outros seres humanos só porque nasceram com a pele branca. As obras de Kardec são racistas e xenófobas.

26 comentários

Comentar post