Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

Blog d'espiritismo _ A verdade

Não há, pois, como considerar Cristão, alguém que não crê no sacrifício que o Deus Vivo fez por nós. Desta forma, como filhos de Deus , devemos tomar cuidado com seitas que se dizem Cristãs, mas que são a mais pura deturpação da verdade.

YOGA OU MINDFULNESS

 

 
Se alguém se diz cristão e pratica Yoga, precisa converter-se. E, não digo isto só porque sim, mas porque um cristão só tem um DEUS — Pai, Filho e Espírito Santo — e não adora nem serve a outros deuses.
Posto isto, porque é que afirmo que um cristão — nascido de novo — nem sequer consegue praticar Yoga?
No dia 21 de Junho de 2015, à semelhança do que acontece todos os anos, foi comemorado o “dia mundial da eliminação da consciência”, ou: “dia mundial da Yoga”. Não, não digo isto porque o inventei. No dia 21-06-2015, o Jornalista da SIC disse, no telejornal das 13:00 hrs, citando as palavras do mais antigo mestre de Yoga vivo:

“A Yoga tem como objectivo eliminar a consciência pessoal!”

Nada que eu não venha a dizer, há anos, e que muitos ignoram. A pergunta é: “O que é o ser humano sem a sua consciência?”
De acordo com uma amada amiga e mãe, que trabalha numa escola: «Ultimamente, as notícias dão conta de que existem protocolos com agrupamentos de escolas nas quais serão introduzidas aulas de Yoga/ mindfulness e algumas experiências na prática de Reiki [espiritismo puro]. Parece que o interesse das escolas para estabelecer esse protocolo tem vindo a aumentar nos últimos tempos e, segundo os seus promotores, o motivo principal é motivar os professores e capacitar os alunos a estarem concentrados nos testes de avaliação, para além de também ajudar na mudança de comportamentos – dentro e fora da sala de aula. Resumindo: é uma espécie de tábua de salvação para o ensino em Portugal, que vai de mal a pior, tanto para os professores como para os alunos. No entanto, essa nunca será a solução e confesso que isto me tem incomodado profundamente. Sempre que vejo práticas como esta a serem promovidas chego à conclusão de que, a cada dia que passa, será mais difícil ser cristão neste mundo.»
Mas, esta tentativa de introduzir a religião hindu nas salas de aula não é nova. No 6.º ano, há cerca de sete anos, o meu filho chegou a casa com um panfleto da escola a informar quais eram as actividades extra curriculares e, entre elas, constava a tão divulgada Yoga. Sentei-me com ele e disse-lhe quais as actividades que poderia escolher:
“Todas, menos a religião hindu!”.
Munida de algum material recolhido na Internet e de alguns livros que falam sobre o assunto, passei a explicar-lhe o que é realmente a Yoga. Então:
A Yoga é uma religião. Foi criada com o objectivo de proporcionar aos seus praticantes um meio de escapar deste mundo “irreal” do tempo e dos sentidos.
A palavra “Yoga” significa, literalmente, “unir”, ou “atar junto”.
O objectivo da Yoga é esvaziar totalmente a mente, parar todos os movimentos do corpo, eliminar todas as sensações do mundo físico, e assim atingir a união com Brahma num estado de nada. Quem, ou o que é Brahma?
Brahma é conhecida como a força de Deus. Brahma é tudo e tudo é Brahma. Brahma não é um Deus como nós pensamos, porque é ao mesmo tempo tudo e ao mesmo tempo nada.
As várias práticas de Yoga são idealizadas para induzir os seus praticantes a um estado de transe no qual a mente é esvaziada, o que, supostamente, leva à união com Brahma. Na verdade, o que acontece quando a mente fica vazia é que os demónios têm espaço livre para entrar e é o que fazem. São esses demónios — que tomam conta das mentes vazias — que produzem toda a espécie de sensações ligadas ao mundo espiritual e forjam a ligação entre a alma e o espírito.
Ora, se levarmos em consideração que a Yoga tem como objectivo a união com Brahma, não a podemos separar da religião que a criou.
Há diversos tipos de Yoga. Há a Hatha Yoga que afirma ser apenas exercício físico e sobre a qual Dave Hunt escreveu:
“A Yoga foi introduzida por Krishna, no Bhagavad Gita, como sendo o caminho certo para o céu hindu, e Shiva (uma das mais temidas divindades hindus, conhecido como “O Destruidor”) é chamado de Yogeshwara, Senhor da Yoga. Um dos mais respeitados textos de Hatha Yoga, o Hathayoga-Pradipika, escrito no século XV por Svatmarama, cita o Senhor Shiva como o primeiro mestre de Hatha Yoga. Os instrutores de Yoga comuns nunca mencionam (e podem até nem saber) que existem advertências nos textos antigos de que a Hatha Yoga é um instrumento perigoso porque a pessoa pode ser possuída por uma divindade hindu (demónio) através do estado de consciência alterado induzido por essa prática.”
Amado leitor, pense e responda:
Se a disciplina que os mestres de Yoga, no Ocidente, ensinam envolve apenas exercícios de alongamento e respiração, como insistem em dizer, porque é que eles não fazem a sua divulgação como tal?
Porque é que insistem em chamar-lhe Yoga enquanto negam qualquer conexão com aquilo que a Yoga realmente é?
Porque é que insistem em usar esse disfarce?
A grande maioria dos ocidentais acredita que a Hatha Yoga (muitas vezes chamada Yoga do corpo) não tem nada a ver com Hinduísmo ou espiritualidade e perguntam: “Será que este tipo de Yoga não é apenas físico?”
A resposta é um rotundo: “NÃO!”
Se assim fosse, teríamos que perguntar porque é que o centro de instrução de Hatha Yoga, em Chicago, está localizado no Templo de Kriya Yoga que, há décadas, “ocupa a liderança na ministração de treinamento detalhado, e de qualidade, para os que desejam ensinar Yoga” e onde os instrutores são treinados sob a direcção de “Sri Goswami Kryanandaji, que carrega a Chama da Linhagem de Sri Babaji, trazido para os EUA por Paramahansa Yogananda”.
Paramahansa Yogananda demonstrou, claramente, que o Ocidente estava pronto para adoptar a espiritualidade yogue sob o disfarce da prática saudável.
Esse missionário, pioneiro do Hinduísmo, fundou a Sociedade de Autorrealização, com sede no Sul da Califórnia. Sem contar as multidões iniciadas pelos seus seguidores, cerca de 100.000 pessoas foram iniciadas na prática de Kriya Yoga (também conhecida como Hatha Yoga) pelo próprio Yogananda, com o propósito explícito da “autorrealização”.
Hoje, existem milhões de pessoas que praticam Hatha Yoga sob a ilusão de que é uma actividade puramente física e que não tem nada a ver com espiritualidade ou religião. Essa ideia, que foi deliberadamente promovida entre os ocidentais desavisados e ignorantes das origens da Yoga, é bastante popular e está profundamente entranhada na mente das pessoas, apesar de ser completamente diabólica.
Afinal, pergunto:
Se a Hatha Yoga é puramente física, por que é que foi ministrada por “mestres espirituais” conhecidos como yogues?
Por que é que a autêntica Hatha Yoga é sempre associada à meditação espiritual cujo objectivo é a “autorrealização” (isto é, “alcançar a unidade com Brahma, como ensina o Hinduísmo”)?
Se existem centros, no Ocidente, que afirmam oferecer uma Hatha Yoga, puramente física, apenas para beneficiar a saúde, por que é que ensinam os mesmos exercícios respiratórios e as mesmas posições, que Paramahansa Yogananda trouxe da Índia para o Ocidente, que lhe foram ensinados pelo seu guru espiritual Sri Babaji?
Todas essas técnicas foram desenvolvidas com precisão, durante séculos, para induzir mudanças subtis no estado de consciência dos praticantes, levando-os à tão propalada “autorrealização”. Elas nunca foram desenvolvidas para obter, principalmente, benefícios físicos.
Quando os instrutores de Hatha Yoga são honestos, admitem que a prática não é puramente física. Richard Hittleman, um dos pioneiros na introdução da chamada Yoga física, nos EUA, afirmou:
 
“À medida que os estudantes de Yoga praticam as posições físicas, chegam ao ponto em que estão aptos a investigar o componente espiritual, que é a essência completa da disciplina.” 1
 
Isso é consensual entre os especialistas. Sobre a Hatha Yoga, o conhecido mestre de Yoga, Swami Sivenanda Radha, declarou:
 
“As asanas (posturas e exercícios físicos) são uma prática devocional [...] cada asana cria um determinado estado mental [...] para conduzir o praticante a um contacto mais profundo com o Eu Superior.” 2
 
Há várias modalidades na Yoga A Kundalini Yoga, que é usada no campo da medicina, promete curar o corpo e a alma. A Tantra Yoga, também usada na área da medicina, está a tornar-se muito popular entre os altos executivos e é Satanismo puro. Os que se iniciam na actividade não conseguem perceber, desde logo, no que se meteram. Algo comum à Tantra Yoga é a perversão sexual. A Yoga, nas suas diversas modalidades, tem um objectivo claro:
Todos os caminhos (da Yoga) levam, em última instância, ao mesmo destino — à união com Brahma ou Deus — e as lições decada uma delas precisam ser integradas para se atingir a verdadeira sabedoria. 3
 
A Yoga é apresentada num sem fim de livros, revistas e nos órgãos de comunicação social, como uma ciência e um excelente exercício físico e, em nome do bem-estar físico, há alguns médicos a aconselhar a sua prática. Infelizmente, muitos aceitam envolver-se nestas práticas nefastas sem pesquisar e sem qualquer preocupação de conhecer o verdadeiro significado dos termos usados na Yoga.
Se procurarmos nas livrarias encontramos uma infinidade de livros sobre o assunto, na secção de “cura” e “bem-estar”, mas, se fossem catalogados correctamente, esses manuais estariam na secção de “Religião”.
Senão, vejamos:
As posições básicas da Yoga chamam-se asanas. Os exercícios respiratórios têm uma participação importante na prática da Yoga e a respiração correcta é chamada de pranayama. O propósito dos asanas e pranayamas é facilitar o fluxo do prana. O que é o prana?
 
Ele é descrito, na maior parte dos textos de Yoga, como uma “energia vital” que deve fluir através do corpo. Esta “energia vital” é um espírito demoníaco.
Por que é que afirmo isso? Porque leio isto nos manuais:
 
“O propósito final dos asanas e da pranayama é purificar os “nadis”, ou canais nervosos, de forma que o prana possa fluir livremente através deles, e preparar o corpo para o despertar da Kundalini, que conduz o praticante de Yoga a um estado de consciência de Deus.” 4
Percebe, amado leitor? O que o texto diz é que as várias posições, e a respiração sincronizada, preparam o corpo para que o demónio chamado Kundalini (uma deusa hindu também presente no Reiki) possa entrar e fluir através dele. O objectivo principal da Yoga é abrir o seu praticante à entrada de demónios.
Sabe que cada posição da Yoga tem um significado?
Eis algumas delas e o seu significado:
 
A Cobra: Uma posição usual na Yoga. Ao praticar a posição desperta-se a serpente-deusa Kundalini.
A posição de Lótus: postura que simboliza a “evolução espiritual” do homem. É usada para favorecer o fluir do prana e o “esvaziamento da mente” na meditação.
Surya Namaskar: Também é chamada “Saudação ao Sol” e é uma série de posições usadas no Ocidente como exercícios de Yoga para “aquecimento”.
Cada uma das posições é de adoração ao deus Sol.
E os mantras? Sabe qual é o seu objectivo?
Mantras: São usados para louvar os deuses na Yoga e em todas as formas de meditação (Meditação transcendental e Zen).
O que é um mantra?
É a rápida repetição de uma série de palavras ou sons e tem dois propósitos: Produzir um estado místico, que na realidade é um transe, durante o qual a mente é esvaziada e a pessoa colocada em contacto com o mundo espiritual. Acredita-se também que o próprio mantra incorpora um ser espiritual.
Conforme as palavras vão sendo repetidas o “ser” (demónio) vem à existência e entra na pessoa.
Como se pode ler num manual de Yoga:
 
“Mantras são sílabas, palavras ou frases em Sânscrito, que quando repetidas em meditação, trazem o indivíduo a um estado de consciência (isto é, em contacto com o mundo espiritual) ... O mantra tem uma certa métrica bem como uma divindade que a preside...” 5
 
O mais importante, no mantra, é a repetição das sílabas e não as palavras. É a repetição rápida ajuda a esvaziar a mente. Há um ditado popular, muito apropriado neste caso, que diz: “Mente vazia, oficina do Diabo!”, que nos devia fazer pensar sobre as repetições nas rezas dos terços, ou rosários...
 
Eu sei que muita gente, incluindo muitos cristãos, vão dizer que a Yoga não tem nada de mal, que isto é maluquice, que estou a demonizar tudo, etc. e tal!
 
Sei isso porque um professor da Escola Dominical já disse ao Miguel que “a Yoga não tem mal nenhum”... Claro que fui conversar com ele, pedi-lhe calmamente para não falar do que não sabia, mas que, antes de responder ao meu filho tão levianamente se informasse melhor acerca de coisas que parecem ser inofensivas, mas que não o são. Esperar que, nuns poucos minutos de Escola Bíblica Dominical, por semana, os nossos filhos aprendam tudo o que precisam saber para se protegerem contra as astutas ciladas do Diabo é utópico e impossível.
Se não os ensinarmos, em casa, se não dedicarmos tempo a informar-nos, a explicar-lhes as Escrituras e a conversar com eles sobre todas as coisas que parecem normais no mundo de hoje, mas não são, arriscamo-nos a chorar durante o resto da nossa vida quando os virmos perdidos, enredados na mentira, sem salvação. É urgente entendermos que o pecado está em nós, ele faz parte do nosso ADN como descendência de Adão.
Quando “abandonamos” os nossos filhos a tudo o que parece não-fazer-mal-nenhum estamos a dar espaço ao Diabo para os apanhar numa rede de malha fina.
Não podemos esquecer-nos que Satanás cega aqueles que lutam diariamente por servir a Deus, mas que ainda não têm um relacionamento firme com Ele. Deixar o pecado cercá-los, e relativizá-lo, é entregá-los nas suas garras. O engano abunda nos nossos dias, é altamente louvado e promovido por este mundo caído, e ameaça tragar todos os que não estão firmados num ensino correcto das Escrituras. O Diabo é astuto e, com alguém assim, só nos resta ser vigilantes e atentar para o conselho do apóstolo Pedro:
“Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;” (1 Pedro 5:8)
“O nosso inimigo [o Diabo] trabalha com mais ousadia quando estamos sós, concentrados no nosso interior e curiosos sobre as trevas que se disfarçam de luz.”
 
Livro: “Órfãos de pais vivos”, págs. 192-198
 

images (1).jpg

1- Yoga Journal, Maio/Junho 1993, 68. 2- http://cana.userworld.com/cana–yoga.html3- O Livro de Consulta da Sivananda para a Yoga”, por Lucy Lidell, Fireside Books, 1983, p.184- The Sivananda Companion To YOGA “O Livro de Consulta da Sivananda para a Yoga”, porLucy Lidell, Fireside Books, 1983, p.295- The Sivananda Companion To YOGA “O Livro de Consulta da Sivananda para a Yoga”, porLucy Lidell, Fireside Books, 1983, p.29

1 comentário

Comentar post